84
Foto: Júlio Fernandes/Ag. Fulltime

Reforma da Previdência põe em risco aposentadorias especiais, aponta debate

Reforma da Previdência

O texto da PEC prevê a instituição de uma idade mínima para a chamada aposentadoria especial. O que, na avaliação de especialistas em debate na CDH, deve fazer com que esse modelo de aposentadoria seja extinto na prática.

A Comissão de Direitos Humanos do Senado – CDH discutiu nesta terça-feira, 20, a aposentadoria especial paga a trabalhadores que exerceram funções consideradas insalubres ou de periculosidade. Para especialistas, a reforma da Previdência vai acabar com o benefício especial por analisar individualmente cada pedido de aposentadoria, que vai exigir uma idade mínima vinculada ao tempo de exposição no trabalho insalubre. A CNTS compôs a mesa de debates.

De acordo com o texto da reforma da Previdência, as atividades especiais que exigem 15 anos de contribuição, como por exemplo a dos mineiros, passarão a ter a idade mínima de 55 anos para homens e mulheres. Já no caso das atividades que exigem 20 anos de contribuição, como a dos eletricistas, será necessário completar 58 anos de idade mínima. Atividades que exigem 25 anos de contribuição, como a dos metalúrgicos e enfermagem – reconhecida pelo Judiciário – exigirão 60 anos de idade mínima para aposentadoria. Além disso, o valor do benefício também passará a ser de 60% da média de todos os salários de contribuição, acrescido de 2% para cada ano de contribuição que exceder o tempo mínimo de 20 anos de contribuição na atividade especial.

No caso da atividade que exige hoje 15 anos de trabalho, será exigido que o trabalhador some 66 pontos para se aposentar. A somatória se faz com a idade mais o tempo de trabalho em condição nociva. Para trabalhadores expostos à média nocividade, a pontuação será de 77 anos com o mínimo de 20 de exposição; e a mais comum, que é a de menor nocividade, serão 86 pontos, com o mínimo de 25 anos trabalhados de forma especial. A partir de 2020 – a somatória exigida pelas atividades – subirá 1 ponto a cada ano.

A presidente do Instituto Brasileiro de Direito Previdenciário – IBDP, Adriane Bramante, lembra que a reforma será mais dura para vigilantes, motoboys, motoristas, professores, enfermeiros, bancários, administradores, comerciários, domésticos, metalúrgicos, aeroportuários, profissionais que hoje exercem atividades em que há risco à saúde ou à vida, como industriários expostos ao ruído e produtos químicos, ou trabalhadores da saúde que atuam na presença de agentes biológicos. Além de passarem a ter idade mínima na aposentadoria, alguns correm risco de sair da regra especial e terão a periculosidade retirada do benefício especial.

“A aposentadoria especial praticamente será extinta devido à exigência de idade mínima, contrariando totalmente os princípios da modalidade desse benefício. Além disso, o texto exige exposição efetiva ao agente nocivo e abre brecha para a contestação da aposentadoria especial de quem usa equipamento de proteção individual. Com essa reforma, haverá significativa concessão de benefícios por incapacidade e de pensões por morte, bem como, aumento do custo da saúde”, explica.

Foto: Júlio Fernandes/Ag. Fulltime

Para o vice-presidente da CNTS, João Rodrigues Filho, a Proposta de Emenda à Constituição – PEC 6/2019, é um total desrespeito ao trabalhador exposto a agente nocivo. “Estas pessoas sacrificam sua saúde por décadas e não poderão se aposentar até atingir uma idade mínima”, lamenta.

João Rodrigues também ressaltou que a CNTS apresentou emenda modificativa à reforma da Previdência, protocolada pelo senador Weverton (PDT/MA) na Comissão de Constituição e Justiça, para que os profissionais da enfermagem possam ter aposentadoria especial, com regras diferenciadas, dentre elas, o salário integral e, pelo menos, 25 anos de contribuição atuando na área.

O secretário-geral da CNTS, Valdirlei Castagna, e o tesoureiro-geral da Confederação, Adair Vassoler, também participaram da audiência pública.

A secretária de Aposentados e Assuntos Previdenciários da CNTE, Selene Michielin, acredita que a aprovação da reforma da Previdência resulte em uma futura geração de pessoas adoecidas, incapacitadas e que irão falecer antes de se aposentar em razão do trabalho.

A senadora Zenaide Maia (PROS/RN), que presidiu o debate, aponta que as autoridades que estão fazendo a reforma não entendem de gente. “Não é possível que se persiga tanto pessoas com deficiências, doentes, trabalhadores e pobres como acontece atualmente. O ser humano passou a ser algo descartável para esse governo. É assustador! Se a população sentar em berço esplêndido, o governo não deixará nada, acabará com tudo”.

Acidentes de trabalho – Fabiano dos Santos, coordenador da Federação Nacional dos Trabalhadores do Judiciário Federal e Ministério Público da União – Fenajufe, lembra que o Brasil é um dos campeões em doenças e acidentes do trabalho. Segundo dados recentes do Observatório de Segurança e Saúde no Trabalho do Ministério Público do Trabalho – MPT, o país registra um acidente de trabalho a cada 49 segundos, em média. “A tendência é que aumente ainda mais o número de acidentes e doenças do trabalho ao exigir que pessoas trabalhem por mais tempo em condições nocivas à saúde. Tal fato resultará no acréscimo de concessões de aposentadoria por invalidez e auxílios-doença, além de onerar os gastos do SUS”, avalia.

Deixe sua opinião

Enviando seu comentário...
Houve um erro ao publicar seu comentário, por favor, tente novamente.
Por favor, confirme que você não é um robô.
Robô detectado. O comentário não pôde ser enviado.
Obrigado por seu comentário. Sua mensagem foi enviada para aprovação e estará disponível em breve.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Notícias relacionadas

Siga a CNTS
nas Redes Sociais