56
Foto: Cinthia Bispo/CNTS

Em Brasília, enfermagem exige jornada e salários dignos

Enfermagem

No Dia Nacional da Saúde, comemorado nesta quinta-feira, 5, centenas de profissionais de vários estados se reuniram na Esplanada dos Ministérios, em Brasília, para exigir a aprovação do PL 2564, que institui o piso salarial nacional e estabelece carga horária de 30 horas semanais para a categoria.

Nem as longas horas de viagem, o clima seco e as adversidades desanimaram os profissionais da enfermagem que se mobilizaram na Esplanada dos Ministérios, em Brasília, nesta quinta-feira, 5, para cobrar a aprovação do PL 2564/2020, que regulamenta a jornada de trabalho da enfermagem e cria um piso salarial nacional para a categoria.

O Ato Valorizar a Enfermagem é Valorizar o SUS, organizado pelo Fórum Nacional da Enfermagem, composto pelas entidades representativas da categoria, CNTS, Aben, Anaten, CNTSS, Cofen, FNE e Eneenf, teve a presença de profissionais de vários estados do país, que mais uma vez clamam por salário digno e jornada justa de trabalho.

O presidente da CNTS, Valdirlei Castagna, afirmou que a enfermagem precisa mais que aplausos, precisa de reconhecimento traduzido em números, isso significa a aprovação do PL 2564/20. “A enfermagem brasileira deu uma demonstração durante a pandemia da sua essencialidade. Não existe SUS sem a enfermagem. 50% dos profissionais que trabalham na saúde são da enfermagem. É a categoria que está dia e noite na cabeceira do paciente e tentando salvar vidas. E esta enfermagem foi desrespeitada durante a história, durante a pandemia. Nós estamos cansados da falta de valorização. Estamos aqui para dizer que palmas somente não bastam, para reconhecer o valor desta importante categoria, é preciso aprovar o piso salarial e garantir uma jornada justa e digna. Estamos aqui para dizer ao Congresso Nacional: respeite a Enfermagem, ouça aqueles que fazem o SUS. Só a aprovação do PL 2564 vai trazer justiça e dignidade para esta categoria”, cobrou.

O autor do projeto, o senador Fabiano Contarato (Rede/ES), foi recebido sob aplausos dos profissionais. “Já passou da hora de nosso projeto de lei ser colocado em pauta e o Senado aprová-lo. Em toda reunião de líderes faço apelo para que o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco, coloque o PL 2564 na pauta. A enfermagem tem pressa! Dignidade profissional passa pela dignidade salarial”, afirmou o senador.

A deputada Alice Portugal (PCdoB/BA) afirmou que está do lado de quem defende a saúde, de quem cuida da saúde, de que está nas cabeceiras dos leitos. “Defender os enfermeiros e enfermeiras é defender o SUS, é defender a saúde! O PL 2564 precisa ser aprovado! Não é possível que os deputados não respondam, que os senadores não respondam ao clamor de milhões de trabalhadores desse país. Piso nacional e jornada de 30 horas para a enfermagem já!”.

O presidente da Frente Parlamentar das 30 horas, deputado Mauro Nazif (PSB/RO), ressaltou a importância da união da enfermagem para as pautas avancem no Congresso Nacional. “Categoria, valorizem suas entidades. Se temos alguma conquista é por nossas entidades, porque unidos temos força”.

Se somaram à luta, as deputadas Jandira Feghali (PCdoB/RJ), Erika Kokay (PT/DF), Perpétua Almeida (PCdoB/ AC), e os deputados Rogério Correia (PT-RS), Professor Israel Batista (PV/DF), Marcon (PT/RS) e o senador Izalci Lucas (PSDB/DF).

Pautas históricas – A reivindicação da aprovação do piso salarial e da jornada de 30 horas são pautas históricas da enfermagem. E está reivindicações dos profissionais da enfermagem fundamenta-se na recomendação da Organização Mundial de Saúde – OMS e de estudos que apontam que longas jornadas estão associadas ao aumento de ocorrências adversas na saúde e ao adoecimento dos profissionais. Além disso, a regulamentação da carga horária é questão de legalidade, com respaldo na Constituição Federal; é questão de isonomia com outros profissionais da saúde, que trabalham lado a lado com os profissionais da Enfermagem e já desfrutam da regulamentação em virtude das peculiaridades de atuação; e é questão de saúde e segurança no exercício profissional, sendo indispensável dispor de condições especiais de trabalho.

Com relação ao piso salarial, a Pesquisa Perfil da Enfermagem revelou que um elevado percentual de profissionais – 16,8% têm renda total mensal de até R$ 1.000. Cerca de 27 mil recebem menos de um salário mínimo por mês.

Uma opinião sobre “Em Brasília, enfermagem exige jornada e salários dignos

  • Maria De Fatima Farias de Sousa

    Enfermagem, avante! Não somos só os heróis da pandemia! Somos a realidade brasileira na luta pela vida! Enquanto muitos param, permanecemos incansáveis na ativa! Merecemos ser reconhecidos e piso salarial aprovado!!!

Deixe uma resposta para Maria De Fatima Farias de Sousa Cancelar resposta

Enviando seu comentário...
Houve um erro ao publicar seu comentário, por favor, tente novamente.
Por favor, confirme que você não é um robô.
Robô detectado. O comentário não pôde ser enviado.
Obrigado por seu comentário. Sua mensagem foi enviada para aprovação e estará disponível em breve.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Notícias relacionadas

Siga a CNTS
nas Redes Sociais