610
Plenário do Senado Federal durante sessão deliberativa extraordinária destinada à votação da Reforma Trabalhista (PLC 38/2017). Em discurso, senador Eduardo Braga (PMDB-AM). Foto: Pedro França/Agência Senado

Eduardo Braga apresenta projeto que regulamenta aposentadoria por periculosidade

Política

O senador Eduardo Braga (MDB-AM) apresentou na última terça-feira, 5, o projeto que regulamenta a aposentadoria por periculosidade – PLP 245/2019. De acordo com o texto, a aposentadoria especial será devida a trabalhadores cujas atividades sejam exercidas com efetiva exposição a agentes nocivos químicos, físicos e biológicos prejudiciais à saúde. O governo vai elaborar lista com esses agentes nocivos e com as atividades equiparadas. Há também referências diretas a mineração subterrânea, atividades ligadas à eletricidade e explosivos, vigilância ostensiva e transporte de valores. Veja a íntegra da proposição, clicando aqui.

A área da saúde ficou de fora do projeto do senador amazonense, por conta disso a CNTS continuará lutando arduamente para que os trabalhadores da saúde tenham uma aposentadoria digna. A Confederação alerta que o ambiente de trabalho dos profissionais de saúde é extremamente insalubre, com exposição a agentes ergonômicos, químicos e, principalmente, biológicos. Ainda que sejam instruídos e capacitados, não existem condições adequadas para a proteção. Para tanto, a CNTS continuará reivindicando que se aplique legalmente o que já vem sendo conquistado judicialmente: a aposentadoria especial aos enfermeiros, técnicos e auxiliares de enfermagem, com 25 anos de contribuição, pelas condições insalubres de trabalho, conforme propõe o Projeto de Lei do Senado 349/2016.

Exigências – O projeto de Eduardo Braga contém série de exigências para que o trabalhador possa ser enquadrado na aposentadoria especial, como a carência de 180 contribuições mensais e regras sobre idade e tempo de exposição às situações prejudiciais ou perigosas. O texto ainda prevê multas para empresas que não mantiverem registros de atividades atualizados, regras para suspensão de benefício e possibilidade de readaptação.

Para o segurado que tenha se filiado ao Regime Geral de Previdência Social até a data da entrada em vigor da reforma da Previdência, o texto estabelece critérios de acesso para aposentadoria especial quando o total da soma resultante da idade e do tempo de efetiva exposição forem de: 66 pontos e 15 anos de efetiva exposição; 76 pontos e 20 anos de efetiva exposição; e 86 pontos e 25 anos de efetiva exposição. Já para o segurado que filiou ao RGPS após a promulgação da reforma, ele precisa ter 55 anos de idade e 15 anos de efetiva exposição; 58 anos e 20 anos de exposição; e 60 anos e 25 de efetiva exposição.

O texto ainda determina que o segurado que houver exercido duas ou mais atividades com efetiva exposição, sem completar em qualquer uma delas o tempo mínimo exigido para a aposentadoria especial, os respectivos períodos de exercício em condições especiais serão somados após conversão, segundo critérios estabelecidos em regulamento, devendo ser considerada a atividade preponderante para efeito de enquadramento e fixação da idade mínima ou soma de pontos.

Segundo Eduardo Braga, o projeto estabelece critérios de acesso para a aposentadoria especial com base na atividade e não com base na categoria do trabalhador. O senador afirmou ainda que o projeto não vai afrouxar regras ou retirar direitos, mas estabelecer um marco legal claro. O texto, acrescentou, assegura direitos ao trabalhador e ao mesmo tempo estabelece com clareza os critérios de acesso a esses direitos. Com regras mais claras, o projeto poderá evitar a judicialização de muitos casos que buscam aposentadoria especial. “Este não é o projeto do governo, mas é fruto do entendimento com as lideranças. O texto foi, na semana passada, amplamente discutido com vários líderes, com o próprio governo, e o governo apresentou proposta de texto na sexta-feira”, declarou Braga, lembrando que o texto foi entregue ao Senado como sugestão do governo.

Acordo – Durante o segundo turno de votação da reforma da Previdência – PEC 6/2019, senadores da oposição observaram que as novas regras excluem da Constituição a possibilidade de critérios especiais para aposentadoria de trabalhadores com potencial risco de vida, como vigilantes, eletricitários e mineiros. A PEC da reforma da Previdência permite aposentadorias especiais apenas para trabalhadores com deficiência e que atuem expostos a agentes químicos, físicos e biológicos. O projeto enviado pelo governo e assumido por Eduardo Braga seria uma forma de contornar essa situação, alcançando mais trabalhadores em risco.

O texto é assinado por Braga para que a sua tramitação comece no Senado, onde foi estabelecido o acordo sobre a regulamentação das aposentadorias por periculosidade. Se o Executivo enviasse ao Legislativo projeto de sua autoria, o texto teria de ir primeiro para a Câmara dos Deputados. A matéria relacionada à periculosidade faz parte de acordo costurado pelo líder do governo, senador Fernando Bezerra Coelho (MDB-PE), para garantir a aprovação da reforma da Previdência em segundo turno.

Fonte: Com Agência Senado

Uma opinião sobre “Eduardo Braga apresenta projeto que regulamenta aposentadoria por periculosidade

  • Assir PAIVA

    Acho incrível isso. Um coió que nunca entrou numa fábrica, não conhece o que é um ambiente insalubre escreve umas páginas definindo o que é periculoso e insalubre. Como pode os caras mudarem a regra aos 45 do segundo tempo dessa maneira? E o povo inerte não faz nada? Por muito menos vimos em outros países o povo brigando nas ruas. Aqui o povo só se reúnem pra carnaval e futebol. Nós somos muito ovelhas mesmo. Por isso esse bando de sanguessugas fazem o que querem. Se eles queriam diminuir as ações na justiça pode apostar que vai dobrar. O tiro vai sair pela culatra.

Deixe uma resposta para Assir PAIVA Cancelar resposta

Enviando seu comentário...
Houve um erro ao publicar seu comentário, por favor, tente novamente.
Por favor, confirme que você não é um robô.
Robô detectado. O comentário não pôde ser enviado.
Obrigado por seu comentário. Sua mensagem foi enviada para aprovação e estará disponível em breve.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Notícias relacionadas

Siga a CNTS
nas Redes Sociais