9
Foto: Freepik (livre divulgação)

Políticas para mulheres sofreram grande corte com teto de gastos, revela estudo

Mulher

Estudo publicado pela Oxfam revela os graves impactos da austeridade fiscal implantada por meio da Emenda Constitucional 95 nas políticas para mulheres. Essenciais para garantir maior autonomia às mulheres, a exemplo dos recursos destinados ao combate à violência, as políticas voltadas ao público feminino ficaram relegadas por conta da “falta de espaço” no orçamento. A exemplo disso, a Secretaria de Políticas para as Mulheres perdeu o tão comemorado status de Ministério, passando inicialmente a ser vinculada à Secretaria de Governo da Presidência da República e, depois, ao Ministério dos Direitos Humanos.

O estudo estima que tenha ocorrido uma queda de 83% no orçamento das políticas públicas voltadas à área social entre 2014 e 2017, sendo que os programas para as mulheres sofreram corte de 53%. Assim, explicita-se o contrassenso da política de austeridade fiscal, que acaba com os instrumentos do Estado para lutar contra as desigualdades sociais, além de ser contraproducente para o crescimento.

Pouco se fala da importância do trabalho da mulher na economia brasileira. Num país em que elas somam 50,7% de uma população de quase 210 milhões de habitantes, tudo que sabemos é que as estatísticas a respeito de sua participação nas ocupações ou profissões mais valorizadas em nada se parecem com a sua representatividade geográfica.

Confira a íntegra do documento clicando aqui.

Deixe sua opinião

Enviando seu comentário...
Houve um erro ao publicar seu comentário, por favor, tente novamente.
Por favor, confirme que você não é um robô.
Robô detectado. O comentário não pôde ser enviado.
Obrigado por seu comentário. Sua mensagem foi enviada para aprovação e estará disponível em breve.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Notícias relacionadas

Siga a CNTS
nas Redes Sociais