28
Foto: Michael Dantas/AFP

Crise da Covid-19 no Brasil é alerta para o mundo, diz agência da OMS

Pandemia

Diretora da Organização Pan-Americana da Saúde - Opas mostra preocupação com avanço do coronavírus no país e diz que situação serve de lembrete para o resto do mundo. Ontem, 10, O Brasil registrou oficialmente 2.286 mortes ligadas à Covid-19. É a pior marca diária registrada desde o início da pandemia.

A Organização Pan-Americana da Saúde – Opas afirmou na quarta-feira, 10, que a disparada no número de mortes e infecções por Covid-19 no Brasil é preocupante e serve de alerta para todo o mundo sobre a possibilidade de ressurgimento do coronavírus. “Estamos preocupados com a situação no Brasil. Serve como um lembrete claro da ameaça do ressurgimento [da Covid-19]: áreas antes atingidas com força ainda estão vulneráveis a infecções hoje”, afirmou em coletiva de imprensa Carissa Etienne, diretora da Opas.

A Opas é uma agência de saúde pública ligada às Nações Unidas e que serve como escritório regional nas Américas para a Organização Mundial de Saúde – OMS.

O alerta da diretora da Opas chega no momento em que o Brasil registra, diariamente, recorde de mortes por Covid-19. Na quarta-feira, o número de óbitos em 24 horas chegou a 2.286. Foi a primeira vez que mais de 2 mil mortes pela doença foram contabilizadas no país em um único dia.

Diversas autoridades e instituições de saúde alertam, contudo, que os números reais devem ser ainda maiores, em razão da falta de testagem em larga escala e da subnotificação.

O país vive um novo momento de aceleração da doença, com registro de colapso da rede de saúde pública em alguns estados. O total de mortes no país associadas à doença já passa de 270 mil.

Mundo olha preocupado para o Brasil – O alerta da Opas é mais um em meio a uma série de declarações de especialistas que observam com preocupação a situação no Brasil.

Na última sexta-feira, 5, o diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus, afirmou que o avanço da pandemia de Covid-19 no país é “muito preocupante” e instou o governo federal a tomar medidas “agressivas”. “O Brasil deve levar esta luta muito a sério”, disse Ghebreyesus, acrescentando que são fundamentais medidas para interromper a transmissão.

Na mesma linha de Tedros, Mike Ryan, principal especialista em emergências da OMS, disse que agora não é hora de o Brasil ou qualquer outro lugar relaxar. “Achamos que já saímos disto. Não saímos. Países regredirão para um terceiro e um quarto surto se não tomarmos cuidado. A chegada da vacina traz esperança, mas não devemos achar que o pior já passou. Isso só faz o vírus se espalhar mais”, disse Ryan.

Na mesma semana, o jornal americano The New York Times, em reportagem, tratou a crise da Covid-19 no Brasil como um alerta para o mundo todo. “Nenhuma outra nação que sofreu um surto tão grande ainda está lidando com um número recorde de mortes e um sistema de saúde à beira do colapso. Muitas outras nações duramente atingidas estão, pelo contrário, tomando medidas em direção a uma aparente de normalidade”, escreveu o jornal.

Em entrevista ao jornal inglês The Guardian, também na semana passada, o neurocientista brasileiro Miguel Nicolelis pediu ao mundo que se “pronuncie com veemência sobre os riscos que o Brasil representa” no combate à pandemia.

Temor da variante – Preocupa especialmente especialistas e autoridades no exterior a variante de Manaus. Descoberta no fim de 2020, ela é chamada de P.1 (ou P1) e está associada ao novo ápice da pandemia no Brasil. Foi devido a ela que inúmeros países restringiram a entrada de viajantes brasileiros.

Mesmo diante desse quadro, o governo de Jair Bolsonaro tem agido para enfraquecer medidas de isolamento impostas por estados e municípios, alegando que isso prejudica a economia. Na semana passada, Bolsonaro afirmou que é preciso parar de “frescura” e “mimimi” em meio à pandemia e perguntou até quando as pessoas “vão ficar chorando?”. Ele ainda chamou de “idiotas” as pessoas que vêm pedindo que o governo seja mais ágil na compra de vacinas.

Ao longo da pandemia, Bolsonaro minimizou frequentemente os riscos do coronavírus, além de promover curas sem eficácia e tentar sabotar iniciativas paralelas de vacinação lançadas em resposta à inércia do seu governo na área.

Fonte: Deutsche Welle Brasil

Deixe sua opinião

Enviando seu comentário...
Houve um erro ao publicar seu comentário, por favor, tente novamente.
Por favor, confirme que você não é um robô.
Robô detectado. O comentário não pôde ser enviado.
Obrigado por seu comentário. Sua mensagem foi enviada para aprovação e estará disponível em breve.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Notícias relacionadas

Siga a CNTS
nas Redes Sociais