11
Foto: Roberto Parizotti/Fotos Públicas

Covid mata mais entre trabalhadores que dependem do transporte coletivo

Desigualdade Social

Óbitos na cidade de São Paulo são mais frequentes em bairros periféricos, onde a população depende do transporte público.

A maior parte das pessoas que morreram por causa da Covid-19 na cidade de São Paulo vive em regiões onde a população depende mais do transporte coletivo. Uma pesquisa da Universidade Federal de São Paulo – Unifesp, fez cruzamento entre os dados de óbitos causados pelo coronavírus e o mais recente estudo de origem e destino do metrô da capital, realizado em 2017. Os primeiros resultados indicam que os moradores dos distritos mais pobres, que não puderam se isolar e continuaram precisando usar o transporte público, são as vítimas mais frequentes.

Um dos responsáveis pela análise, o professor do Instituto das Cidades da Unifesp, Kazuo Nakano, explica que as primeiras conclusões reforçam a percepção de que a população periférica está mais sujeita a ser contaminada. “De fato, o maior número de óbitos acontece nos distritos onde há maior quantidade de pessoas de baixa renda, com renda familiar de 0 a 3 salários mínimos”.

O pesquisador afirma ainda que o recorte a partir do deslocamento pelo transporte público traz novos elementos às conclusões sobre o impacto do coronavírus entre as populações mais vulneráveis, “São esses trabalhadores periféricos, de baixa renda, que são dependentes do uso do ônibus, trem, metrô. Estamos percebendo que esse transporte continua com lotação em alguns períodos do dia. Isso tem explicado a ocorrência do número de óbitos dos que moram nesses distritos e que precisam ficar circulando pela cidade, usando transporte coletivo, que não possui mecanismos de proteção”.

Pelo cruzamento com a pesquisa Origem e Destino é possível notar também que a maior parte dos trabalhadores dessas regiões está ocupada com trabalhos informais. Os bairros com os maiores números de óbitos têm grande quantidade de autônomos. “São aqueles que trabalham por conta própria, em bares, botequins, mercadinhos, mas também são os camelôs, empregadas domésticas e trabalhadores autônomos. Para eles trabalharem ou buscarem emprego, eles precisam circular pela cidade”.

Por outro lado, em bairros onde se usa mais o automóvel particular, o impacto da Covid é menor. O estudo aponta que os distritos em que a população se desloca em carros próprios registram menos mortes em decorrência da doença. “As viagens por automóvel estão protegendo a população de classe média alta. São os empresários, empregadores, funcionários públicos, profissionais liberais. Essas pessoas que possuem essas atividades não influenciam os altos números de óbitos por Covid”.

Falta de proteção chega às famílias – A vulnerabilidade dos trabalhadores que dependem do transporte coletivo atinge diretamente uma parte da população que muitas vezes têm conseguido ficar em casa, mas está sendo exposta ao vírus mesmo assim. São as companheiras e companheiros, filhos e parentes desses profissionais que andam de ônibus, metrô e trem cotidianamente. A pesquisa da Unifesp notou um índice alto de contaminação em regiões onde há muitas donas de casa e que fazem pequenos deslocamentos a pé.

“Nesses distritos mais periféricos que têm um alto número de óbitos, também tem um alto número de donas de casa e de estudantes, crianças e adolescentes. Muitas dessas donas de casa podem estar circulando nos seus bairros e se expondo. Podem estar convivendo com pessoas que dependem do transporte coletivo.”, afirma Kazuo Nakano.

Essas percepções da pesquisa, segundo o professor, são fundamentais. “Não basta só se isolar em casa e praticar o distanciamento social. Isso é super importante. Mas temos que lembrar que essas pessoas não moram sozinhas e os cotidianos dos que moram nessas casas são diferentes”.

“Enquanto uns ficam em casa, outros têm que trabalhar e usar o transporte coletivo. Crianças e adolescentes tem atividades de lazer na rua. Isso tem que ser levado em conta porque está influenciando o contágio e os óbitos”.

Nessa realidade, Kazuo defende uma articulação contra o coronavírus que leve em consideração as particularidades da população mais exposta. “É uma múltipla vulnerabilidade. Temos que começar a pensar em uma proteção sistêmica dessa população contra a Covid-19. É aí que muitos municípios estão errando. O enfrentamento não aborda a vulnerabilidade da moradia, dos autônomos que precisam fazer bicos, das crianças e dos adolescentes. É preciso trabalhar sistematicamente e essa abordagem não está acontecendo nas periferias”, afirma.

A conclusão de que o poder público precisa atuar com mais firmeza é inevitável, segundo o professor. “Nesses meses de pandemia, vimos quem está pagando o preço mais alto. O custo social dessa pandemia está recaindo sobre essa população trabalhadora, periférica e de baixa renda. É dever do poder público priorizar a proteção dessas populações, porque a classe média alta está conseguindo se proteger, se manter no isolamento, tem renda, está conseguindo viver às custas dos trabalhadores”, finaliza.

Fonte: Brasil de Fato

Deixe sua opinião

Enviando seu comentário...
Houve um erro ao publicar seu comentário, por favor, tente novamente.
Por favor, confirme que você não é um robô.
Robô detectado. O comentário não pôde ser enviado.
Obrigado por seu comentário. Sua mensagem foi enviada para aprovação e estará disponível em breve.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Notícias relacionadas

Siga a CNTS
nas Redes Sociais