32
Foto: Marco Santos/ Agencia Pará

Sem comprovação, Saúde pressiona Fiocruz para recomendar cloroquina contra Covid-19

Saúde e Ciência

Segundo Ministério da Saúde, uso ocorreria nos primeiros dias dos sintomas e no âmbito do SUS. No entanto, não há qualquer comprovação científica de que o remédio seja eficiente no tratamento do coronavírus.

O Ministério da Saúde orientou a Fiocruz a divulgar amplamente e recomendar o uso da cloroquina e da hidroxicloroquina no tratamento precoce de pacientes da covid-19, a despeito das evidências científicas indicarem a ineficácia dos medicamentos no combate ao novo coronavírus.

A própria Fiocruz participa do estudo Solidarity, da Organização Mundial de Saúde – OMS, cujos testes com a cloroquina e a hidroxicloroquina foram suspensos há um mês, em 17 de junho, porque todos os resultados obtidos até então apontavam que as substâncias “não reduziam a mortalidade dos pacientes”.

Outro grande estudo sobre a eficácia dos remédios, o Recovery, foi conduzido pelo Reino Unido com a participação de mais de 11 mil pacientes. Também em junho, seus principais coordenadores emitiram um comunicado concluindo que “não há efeito benéfico” no uso da hidroxicloroquina.

Mesmo assim, em 30 de junho, o secretário de atenção especializada à saúde, Luiz Otávio Franco Duarte, enviou ofício endereçado à presidência da Fiocruz e à direção dos institutos Nacional de Infectologia Evandro Chagas – INI e Nacional de Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente Fernandes Figueira – IFF, solicitando “a ampla divulgação desse tratamento, considerando que ele integra a estratégia do Ministério da Saúde para reduzir o número de casos que cheguem a necessitar de internação hospitalar para tratamento de síndromes de pior prognóstico, inclusive com suporte ventilatório pulmonar e cuidados intensivos”.

O ofício diz ainda: “São medidas essenciais a tomar e divulgar: Considerar a prescrição de cloroquina ou hidroxicloroquina, mediante livre consentimento esclarecido do paciente com diagnóstico clínico de Covid-19, para tratamento medicamentoso precoce, ou seja, nos primeiros dias dos sintomas, no âmbito do Sistema Único de Saúde – SUS”.

Em nota divulgada ontem, 16, o Ministério confirmou que se trata de “de ofício de caráter administrativo para orientar os institutos e hospitais federais sobre a Nota Técnica divulgada pelo Ministério da Saúde, que trata do enfrentamento precoce da Covid-19”. E acrescentou: “cabe informar que a pasta divulgou novas orientações sobre uso de medicamentos, em que a prescrição permanece a critério do médico, sendo necessária também a vontade declarada do paciente”.

Perguntado sobre as evidências científicas que embasam tal recomendação, o Ministério da Saúde não ofereceu nenhuma explicação. A pasta está sendo ocupada interinamente pelo general Eduardo Pazuello desde a saída do médico Nelson Teich há mais de dois meses. Tanto Teich quanto seu antecessor Henrique Mandetta deixaram o ministério por não concordarem com a recomendação da cloroquina no tratamento da doença, como sempre advogou o presidente Jair Bolsonaro. Diagnosticado com Covid-19 na semana passada, o próprio presidente já defendeu em diversas ocasiões o uso do remédio. A última foi em live na noite de ontem: “Ainda tem estado que está proibindo a cloroquina. Se não tem alternativa, porque proibir? Ah, não tem comprovação científica de que seja eficaz. Mas também não tem comprovação científica que não tem comprovação eficaz. Nem que não tem, nem que tem”.

Resposta da Fiocruz – O pesquisador e coordenador do Núcleo de Epidemiologia e Vigilância da Fiocruz Brasília, Cláudio Maierovitch, afirmou hoje, 17, que a instituição não recomenda o uso de cloroquina ou hidroxicloroquina para tratar pacientes com coronavírus.

“A Fiocruz orienta profissionais, ela afirma que não há base científica para a cloroquina, pelo contrário, há evidências de que não deve ser utilizada. Mas, se recebe comunicado do Ministério da Saúde, não pode deixar de informar seus profissionais”, declarou Maierovitch. “Internamente, é conhecido [na Fiocruz] que [a cloroquina] não tem eficácia”.

De acordo com ele, a Fiocruz, como instituição pública, tem a obrigação de retransmitir comunicados enviados pelo Ministério da Saúde a seus profissionais. No entanto, isso não interfere nas pesquisas e estudos desenvolvidos pela instituição e também não significa que a Fiocruz corrobora o conteúdo do ofício.

“Nesse caso, não é papel da Fiocruz dizer à sociedade que aquilo deve ser praticado, isso cabe os canais do próprio Ministério da Saúde. Não é conhecimento da Fiocruz ou que tenha respaldo científico da Fiocruz, é um ofício enviado a vários serviços de saúde que a Fiocruz recebe e informa a quem deve ser informado dentro da instituição”, afirmou.

Atualmente, a Fiocruz participa de estudo que avalia medicamentos que eventualmente possam ser utilizados no tratamento da Covid-19 e a cloroquina não faz parte desse estudo, disse Maierovitch.

Fonte: Com Estadão e UOL

Deixe sua opinião

Enviando seu comentário...
Houve um erro ao publicar seu comentário, por favor, tente novamente.
Por favor, confirme que você não é um robô.
Robô detectado. O comentário não pôde ser enviado.
Obrigado por seu comentário. Sua mensagem foi enviada para aprovação e estará disponível em breve.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Notícias relacionadas

Siga a CNTS
nas Redes Sociais