37
Foto: Fernando Frazão/ Agência Brasil

No Brasil, a pobreza é negra. E a renda mínima fica abaixo das despesas

Desigualdade Social

Segundo levantamento do IBGE, em 2018, a despesa per capita nas famílias chefiadas por negros ou pardos era de R$ 1.207,11 enquanto nas famílias que tinham uma pessoa branca como referência esse valor subia para R$ 2.279,19. Além disso, 77,8% de toda a pobreza se concentra “na população cuja pessoa de referência da família era preta ou parda”.

As famílias chefiadas por negros no país vivem com praticamente metade do total despendido pelas famílias que têm como referência uma pessoa branca. O fenômeno inclui gastos essenciais, como alimentação, moradia e acesso à saúde. Os dados são da Pesquisa de Orçamentos Familiares 2017-2018: Perfil das Despesas no Brasil, divulgada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE na quarta-feira, 25. Além disso, mais de 25 milhões de brasileiros viviam abaixo da linha de pobreza no ano de 2018. Destes, quase 3 milhões de pessoas sobreviviam na miséria. Segundo o IBGE, 77,8% da pobreza estava concentrada em famílias que têm como referência uma pessoa preta ou parda.

As famílias brasileiras tinham uma despesa média total per capita de R$ 1.667,90 em 2018. No entanto, entre as famílias que tinham uma pessoa branca como referência – alguém que pague ao menos uma das contas da casa – esse valor subia a R$ 2.279,19. Por outro lado, a despesa per capita nas famílias chefiadas por negros ou pardos alcançava somente 53% desse valor: R$ 1.207,11.

O cálculo considera as despesas monetárias, que foram efetivamente pagas com recursos financeiros, mas também as não monetárias, que incluem o consumo de bens e serviços públicos como educação e saúde, de doações e da produção própria de alimentos, por exemplo.

A diferença nas despesas era considerável mesmo nos gastos essenciais. O gasto per capita com alimentação das famílias com chefes brancos era de R$ 269,44 ante R$ 181,60 entre as famílias com chefes negros. Na habitação, a despesa entre os brancos alcançava R$ 644,31, ante R$ 330,72 entre os negros. O mesmo ocorria no dispêndio com assistência à saúde, com um gasto per capita de R$ 183,94 entre os brancos ante R$ 94,99 entre os negros.

Na média nacional, as despesas correntes consumiam R$ 1.554,06, enquanto uma fatia de R$ 63,61 era destinada a investimentos e R$ 50,22 iam para pagamento de dívidas. Nas famílias lideradas por brancos, a verba de R$ 103,46 per capita destinada a aumentar o patrimônio superava em mais de três vezes o montante obtido pelos negros para esta mesma finalidade, apenas R$ 33,27.

Desigualdade de renda em todos os estratos sociais – As famílias chefiadas por negros têm menos renda disponível que as lideradas por brancos em todos os estratos sociais, seja entre os mais pobres, seja entre os mais ricos. A Renda Disponível Familiar Per Capita – RDFPC de famílias que têm como referência uma pessoa branca era de R$ 2.241,80, quase o dobro dos R$ 1.206,76 obtidos pelas famílias lideradas por pessoas pretas ou pardas.

Entre os 5% mais pobres, as famílias brancas conseguiam uma renda de R$ 245,82, ante R$ 141,98 das famílias negras. A tendência permanece a mesma em todas as faixas de renda, até a mais elevada, ou seja, os negros têm menos renda que os brancos mesmo quando alcançam o estrato mais rico. Entre o 1% mais rico da população brasileira, as famílias chefiadas por brancos tinham uma renda per capita disponível de R$ 23.414,51, enquanto as famílias que tinham como referência uma pessoa negra possuíam menos da metade desse valor, R$ 9.734,79.

A RDFPC média no Brasil foi de R$ 1.650,78 no ano de 2018, sendo que 23% desse montante, R$ 379,97, foram adquiridos de forma não monetária, o que inclui os valores de bens e serviços providos pelo governo, instituições e outras famílias, além da produção para próprio consumo.

A renda não monetária, como a proporcionada pelos serviços de saúde e educação públicos e pela produção de alimentos, é fundamental para a sobrevivência dos brasileiros mais pobres. Entre os 10% mais pobres, 42,5% da renda familiar per capita disponível é não monetária.

A renda mínima per capita apontada pelas próprias famílias como necessária para chegar até o fim do mês ficou em R$1.331,57 em 2018, o equivalente a 80,7% da renda disponível. Entre os 10% mais pobres, porém, a renda mínima era de R$ 470,29, quase o dobro dos R$ 244,62 disponíveis.

O IBGE lembra que os 10% mais ricos concentram três vezes mais renda do que os 40% mais pobres juntos. Enquanto os 40% mais pobres contribuem com R$ 215,30 para a média da Renda Disponível Familiar Per Capita, os 10% mais ricos respondem por uma fatia de R$ 629,37. A renda disponível dos 10% mais ricos era de R$ 6.294,83, enquanto a renda dos 40% mais pobres somava R$ 538,22.

Moradias inadequadas – O levantamento do IBGE mostra que cerca de 48,7 milhões de pessoas em todo o País não vivem em moradias plenamente adequadas, o equivalente a 23,5% de toda a população brasileira. Dois terços dessas pessoas moram na área urbana.

Também houve diferença considerando a cor ou raça da pessoa de referência do domicílio: quase 75% dos que viviam com ao menos um tipo de inadequação no domicílio tinham como referência da família uma pessoa negra.

A pesquisa considerou como inadequados: parede sem revestimento ou de madeira aproveitada; cobertura em zinco ou alumínio; piso de cimento ou terra; ausência de banheiro exclusivo.

Em todo o Brasil, 79 milhões de pessoas vivem em domicílios em áreas afetadas por violência ou vandalismo, segundo o IBGE, o equivalente a 38,2% da população brasileira. A região com menor proporção de famílias com esse tipo de queixa foi o Sul, com 29,4% da população local sob essas condições, seguido pelo Sudeste, 38,4%. No Norte, 42,7% da população assumem viverem sob risco de violência ou vandalismo.

Fonte: Com Estadão e Rede Brasil Atual

Deixe sua opinião

Enviando seu comentário...
Houve um erro ao publicar seu comentário, por favor, tente novamente.
Por favor, confirme que você não é um robô.
Robô detectado. O comentário não pôde ser enviado.
Obrigado por seu comentário. Sua mensagem foi enviada para aprovação e estará disponível em breve.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Notícias relacionadas

Siga a CNTS
nas Redes Sociais