8
Foto: Mário Oliveira/Semcom

Ao menos 72 mil pessoas internadas morreram por Covid-19 fora de um leito de UTI

Pandemia

Número reflete colapso na rede hospitalar e representa um óbito para cada três pessoas hospitalizadas.

Em julho do ano passado, o técnico em telecomunicação Everton Silva, 31, levou seu pai, José Erasmo da Silva, 54, para ser atendido numa Unidade de Pronto Atendimento no Distrito Federal devido à Covid-19. Com a falta de ar e a piora do quadro, José Erasmo morreu logo após a internação, antes de conseguir transferência para um leito de UTI – Unidade de Terapia Intensiva. “Ele não aguentou esperar”.

Assim como Silva, desde o início da pandemia, há um ano, ao menos 72.264 pessoas morreram por Covid-19 sem ter acesso a um leito de UTI mesmo tendo sido internadas – mais de 1/4 dos quase 280 mil mortos deixados pela doença no país até agora.

O número, reflexo do colapso do sistema hospitalar em diversas regiões do país, representa um óbito para cada três pessoas hospitalizadas. É presumível que parte deles pudesse ter sido evitada com o tratamento intensivo.

Os dados são do Sivep-Gripe – Sistema de Informação de Vigilância Epidemiológica da Gripe e fazem parte de um levantamento da Fiocruz realizado a pedido da Folha. Como em 22.712 – 10% dos casos hospitalizados não há informação de que pessoa teve acesso a UTI, o número de sem-leito pode ser ainda maior. Em 124.064, 57% casos, a morte ocorreu em UTI.

Especialistas afirmam que as mortes fora de leitos de UTI acontecem principalmente pela falta de acesso da população, seja pela falta de vaga, seja pela dificuldade de chegar até um leito.

Diego Xavier, pesquisador do Instituto de Comunicação e Informação Científica e Tecnológica em Saúde da Fiocruz e responsável pelo levantamento, diz que algo que impacta na estatística é a condição que o paciente chega ao hospital.

O volume de óbitos ocorridos fora da UTI nos municípios do interior é mais expressivo do que nas regiões metropolitanas. Um dos motivos seria as longas distâncias que devem ser percorridas em busca de atendimento. “Dependendo do quadro, pode evoluir rapidamente para óbito sem tempo hábil para entrada em leito especializado”.

Os estados com maior percentual de mortes fora de leitos de UTI são Sergipe, Roraima e Amazonas. Os governos estaduais dos dois últimos, assim como Diego Xavier, também atribuem essas mortes à gravidade com que os pacientes chegam às unidades.

Fátima Marinho, médica epidemiologista e especialista sênior da Vital Strategies, acrescenta que o número total de mortos fora de UTIs é ainda maior porque muitos óbitos ocorrem sem que a pessoa tenha sido hospitalizada. ​

Para a especialista, muitas dessas mortes poderiam ser evitadas caso o sistema de saúde estivesse preparado para oferecer assistência adequada e no tempo certo. “Sabemos que o aumento da mortalidade está relacionado com a severidade da doença, mas também com falta de assistência. Casos graves, bem assistidos, podem ser curados”.

Diego Xavier afirma que os dados refletem apenas uma parcela da segunda onda. Eles devem disparar nas próximas semanas pela falta de vagas de UTI com o sistema de saúde em colapso.

Falta de leitos nos estados – No auge da pandemia contra o novo coronavírus, 19 estados e o Distrito Federal com a taxa de ocupação de 80% ou mais de leitos de UTI. A situação é ainda mais grave nas capitais, com 24 delas já registrando esse percentual de lotação.

A falta de vagas no sistema público de saúde tem provocado filas por espera de UTI. Levantamento da Folha junto às secretarias de saúde mostra que há ao menos 1.538 pessoas nessa condição em 13 unidades da federação. Santa Catarina (419), Goiás (291) e Distrito Federal (224) lideravam a lista até a última quinta-feira, 11.

Sem leitos em seus estados, alguns governadores têm procurado outras unidades da federação. Amazonas, Rondônia e Santa Catarina são alguns que transportaram pacientes para serem atendidos em outros estados, totalizando, os três, 620 transferências.

Em Santa Catarina, 419 pessoas aguardavam por leitos de UTI até quinta-feira, Foram transferidos cinco pacientes para o Espírito Santo, mas o deslocamento foi suspenso devido ao aumento da demanda de pacientes em Vitória. “Após este período, a situação será monitorada a cada dia pelas equipes da Secretaria de Saúde de Santa Catarina, para verificar como está a disponibilidade de leitos de UTI do Espírito Santo para auxiliar o estado catarinense”, disse a secretaria estadual de Saúde em nota.

No país, nem a judicialização tem resultado na garantia de vagas por leitos UTI. Vários estados têm encontrado dificuldade para cumprir prazos determinados pela Justiça. “Às vezes vêm a decisão judicial para cumprir, mas como que vai fazer se não tem leito? Nós temos que perguntar ao Poder Judiciário quem vamos tirar para colocar esse paciente, mas esse comando nunca vem”, afirmou Gustavo Rocha, secretário da Casa Civil do governo do Distrito Federal.

E continua: “A situação está no limite, decisões judiciais têm que ser cumpridas, mas, se não há disponibilidade de leitos, não tem como cumprir nesse momento”.

Fernando Bellissimo Rodrigues, médico infectologista e professor associado da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo, disse que o país não tem capacidade de abrir leitos UTI em larga escala porque está faltando pessoas especializadas para trabalhar na alta complexidade.

“Abrir leitos não exige somente o espaço físico e o respirador. Leva anos para se formar um enfermeiro especializado e um médico intensivista. Esses profissionais se esgotaram no mercado, não tem como comprar, importar”.

Miguel Roberto Jorge, ex-presidente da Associação Médica Mundial e professor da Universidade Federal de São Paulo – Unifesp, defende que devem ser adotadas medidas eficientes de isolamento social, para reduzir o impacto do número de casos e de mortes.

Ele disse que só a vacina não resolverá o problema a curto prazo, e o país precisa, neste momento, evitar que os casos aumentem. “A vacina demora para dar resultado, o que nós estamos vendo é o sistema de saúde colapsado. Temos que vacinar pensando num futuro próximo, mas o que pode derrubar esses números é tornar mais rigidamente as medidas preventivas, como o distanciamento social, o uso de máscaras”.

Outro lado – Os estados de Roraima e Amazonas afirmaram que a quantidade de mortes de pessoas hospitalizadas fora de leitos de UTI se deve principalmente pela gravidade com que os casos chegam às unidades.

A secretaria de Saúde do Estado de Roraima disse que há um plano de contingência estadual para o enfrentamento da Covid-19 e que isso resultou na ampliação de 16 para 115 leitos de UTI. Em paralelo, foram contratados mais profissionais para reforçar as equipes nas unidades.

A secretaria adjunta de Atenção à Urgência e Emergência da Secretaria de Estado de Saúde do Amazonas declarou que trabalha especialmente no aprimoramento dos protocolos assistenciais, considerando que há leitos de UTI disponíveis nas unidades da rede pública. A rede estadual ampliou seus leitos de UTI de 130 para 426.

Fonte: Folha de S. Paulo

Deixe sua opinião

Enviando seu comentário...
Houve um erro ao publicar seu comentário, por favor, tente novamente.
Por favor, confirme que você não é um robô.
Robô detectado. O comentário não pôde ser enviado.
Obrigado por seu comentário. Sua mensagem foi enviada para aprovação e estará disponível em breve.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Notícias relacionadas

Siga a CNTS
nas Redes Sociais