13
Foto: Marcos Corrêa/PR

Acuado, Bolsonaro tenta enquadrar militares e faz investida na Câmara

Política

No dia que o Brasil atingiu novo recorde de mortos por Covid, o presidente da República provoca crise política-militar, com a demissão do ministro da Defesa, seguida da saída em protesto dos três comandantes das Forças Armadas. Além de tentar emplacar projeto que lhe daria superpoderes ao permitir decretar "estado de mobilização nacional" durante a pandemia.

No dia em que o Brasil atingiu novo recorde de mortos por Covid-19, com 3.780 óbitos nas últimas 24 horas, o governo Jair Bolsonaro demonstrou mais uma vez que não está entre suas prioridades as estratégias para frear o avanço do coronavírus. O Palácio do Planalto dedicou seu tempo a amplificar a crise política-militar provocada pelo próprio presidente, com a demissão do ministro da Defesa, seguida da saída em protesto dos três comandantes das Forças Armadas, Marinha, Exército e Aeronáutica, algo inédito desde a redemocratização. Acuado pelo Congresso e de olho em sua base mais radical, o objetivo do presidente, ao longo de todo dia, foi enviar a mensagem de que estava enquadrando as forças militares, e não sendo um alvo de protesto do alto escalão castrense.

As especulações sobre um possível autogolpe, uma ruptura institucional ou a decretação de estado de sítio, ou de defesa, era tamanho, que precisou o vice-presidente, o general Hamilton Mourão, vir a público para arrefecer os ânimos. “As Forças Armadas vão se pautar pela legalidade, sempre”, disse ao portal G1. Mourão apenas reforçou o que prega a Constituição Federal, mas que parece ser necessário ser dito a cada movimento radical feito pelo chefe do Executivo.

Foi nessa toada que o bolsonarismo insistiu em quatro estratégias diversionistas: 1: difundiu a informação de que Bolsonaro foi severo e demitiu os três comandantes militares, enquanto que, na realidade, foram eles quem entregaram seus cargos por discordarem da demissão do então ministro da defesa, Fernando Azevedo e Silva da Defesa; 2: costurou estratégias para furar a fila de promoção no Exército e encontrar um novo comandante; 3: usou um de seus fiéis aliados na Câmara dos Deputados, o major Vitor Hugo (PSL-GO), para tentar colocar em votação um projeto de lei que ampliasse os poderes do presidente ao permitir decretar “estado de mobilização nacional” durante a pandemia de Covid-19; 4: determinou, como tem feito desde que chegou ao poder, que seu novo ministro da Defesa, Walter Braga Netto, assinasse um expediente chamado “ordem do dia” a ser lido nos quartéis de todo o país nesta quarta-feira exaltando positivamente o golpe militar de 1964 – o texto é sempre celebrado pela base do presidente, que defende abertamente a volta de um regime militar, em torno de 10% da população nas pesquisas.

Logo pela manhã, o ministro-general Braga Netto, comunicou aos comandantes das Forças, o general Edson Pujol, do Exército, o almirante Ilques Barbosa, da Marinha e o tenente-brigadeiro do Ar Antonio Carlos Bermudez, da Aeronáutica, que eles estavam demitidos por ordem do comandante-em-chefe, o presidente Bolsonaro. O trio já estava disposto a entregar os cargos em apoio ao ex-ministro Fernando Azevedo e Silva, que saiu enviando recado de que sempre preservou “as Forças Armadas como instituições de Estado”, deixando antever uma pressão do Planalto do contrário. Ainda assim, a reunião entre eles foi tensa. Ilques Barbosa, que tem como marca a serenidade, exaltou-se reclamou que as mudanças interferem na imagem das forças e que Bolsonaro estava levando a política para dentro dos quartéis. Braga Netto, conhecido por ser pouco afeito a gentilezas, chegou a bater na mesa e gritou com os demais presentes na reunião, conforme dois relatos feitos à reportagem.

De pronto, o novo ministro mostra uma de suas principais características. “No meio militar há os que lideram, e os que mandam. O general Fernando era um líder. Não se pode dizer o mesmo do general Braga Netto”, afirmou o cientista político, Alexandre Fuccille, professor da Universidade Estadual Paulista e pesquisador na área de Defesa.

Câmara e PMs – Enquanto isso, do outro lado da Praça dos Três Poderes, no Congresso Nacional, o major Vitor Hugo, líder do PSL na Câmara, tentou, em vão, que fosse colocado em votação um projeto de lei que trata do “estado de mobilização nacional”. A medida era mais uma tentativa de agitação do mundo político aventando a possibilidade de dar ao presidente durante a pandemia os mesmos poderes que ele teria no país caso houvesse um ataque bélico por uma nação estrangeira. É uma espécie de versão light do estado de defesa, algo que precede o estado de sítio, quando as liberdades individuais e políticas são restritas, com um acréscimo estratégico: colocaria sob o comando do presidente as polícias militares estaduais, agentes armados e sob comando formal dos governadores que bolsonaristas querem cooptar. Por isso, a manobra foi vista por opositores e pela maioria dos líderes partidários como uma tentativa de golpe de Bolsonaro. Não foi sequer levado à votação do plenário.

O texto apresentado por Vitor Hugo estabelece que, nesse caso, o chefe do Executivo poderá tomar medidas que incluem a intervenção nos fatores de produção públicos e privados; a requisição e a ocupação de bens e serviços; e a convocação de civis e militares para ações determinadas pelo governo federal – além de colocar sob o comando do presidente as polícias militares estaduais, um grupo cultivado pelos bolsonaristas. “Essa lei dá margem para que o presidente possa avançar em qualquer processo de golpe de Estado”, afirmou o líder do Cidadania, Alex Manente.

Além de barrar mais essa tentativa autoritária, tanto a Câmara quanto o Senado votarão requerimentos de oitivas do novo ministro Braga Netto, de seu antecessor, Fernando Azevedo, e dos três comandantes militares demitidos na terça-feira. Já há pedidos tramitando nas duas Casas. O mais avançado, que deve ser votado nesta quarta-feira, é um que está na Comissão de Relações Exteriores e Defesa Nacional da Câmara e trata apenas do novo ministro.

Na noite da terça-feira, já frustrada a investida no Congresso, Bolsonaro seguiu enviando recados a sua base e pregando contra o isolamento social para conter a pandemia. Disse estar de mãos atadas para reverter das restrições. “Eu jogo dentro da Constituição. Há algum tempo algumas autoridades não estão jogando nos limites da Constituição”, disse a um canal bolsonarista no YouTube.

Fonte: El País

Deixe sua opinião

Enviando seu comentário...
Houve um erro ao publicar seu comentário, por favor, tente novamente.
Por favor, confirme que você não é um robô.
Robô detectado. O comentário não pôde ser enviado.
Obrigado por seu comentário. Sua mensagem foi enviada para aprovação e estará disponível em breve.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Notícias relacionadas

Siga a CNTS
nas Redes Sociais