8
Foto: Evaristo Sá/AFP

Gravações indicam ação direta de Jair Bolsonaro em esquema de ‘rachadinhas’ enquanto deputado

Política

Segundo apuração do portal UOL, o presidente faria parte de esquemas de entregas de salários de assessores de 1991 a 2018.

Gravações revelam que o presidente Jair Bolsonaro teria integrado esquema de devolução de salários de assessores no período compreendido entre 1991 a 2018, nos mandatos de deputado federal. A apuração, os áudios e os vídeos são da coluna da jornalista Juliana Dal Piva, do UOL.

De acordo com a jornalista, que dividiu a denúncia em três reportagens, o presidente não só integrava o esquema como era quem cobrava a devolução dos salários dos assessores de seu gabinete. Segundo Andrea Siqueira Valle, ex-cunhada do presidente, o mandatário da República demitiu o irmão dela porque ele não estaria cumprindo o combinado de devolver o valor acertado.

“O André deu muito problema porque ele nunca devolveu o dinheiro certo que tinha que ser devolvido, entendeu? Tinha que devolver R$ 6.000, ele devolvia R$ 2.000, R$ 3.000. Foi um tempão assim, até que o Jair pegou e falou: ‘Chega. Pode tirar ele, porque ele nunca me devolve o dinheiro certo’”, disse Andrea. Ouça o áudio na reportagem, clicando aqui.

Andrea e André são irmãos de Ana Cristina Siqueira Valle, ex-mulher de Jair Bolsonaro e mãe do filho mais novo do presidente, Renan. Andrea foi assessora de Bolsonaro na Câmara entre setembro de 1998 e novembro de 2006. Depois, trabalhou no gabinete do vereador Carlos Bolsonaro – de novembro de 2006 a setembro de 2008 e de Flávio – de agosto de 2008 a agosto de 2018, período em que ele esteve na Alerj.

Já André foi lotado no gabinete de Jair por pouco menos de um ano, entre novembro de 2006 e outubro de 2007. Antes, tinha trabalhado em dois momentos como assessor do filho “02” do presidente, Carlos: de agosto de 2001 a fevereiro de 2005, e de fevereiro de 2006 a novembro do mesmo ano.

Recolhendo salários – Nas gravações, a fisiculturista diz ainda que Fabrício Queiroz, ex-assessor de Flávio Bolsonaro e denunciado pelo Ministério Público no esquema de “rachadinha” no gabinete do então deputado estadual na Assembleia Legislativa do Rio, não foi o único a recolher os salários dos funcionários do atual senador. Ela aponta que a maior parte do salário que recebia do gabinete do filho mais velho do presidente era recolhida pelo coronel da reserva do Exército Guilherme dos Santos Hudson, ex-colega do presidente na Aman – Academia Militar das Agulhas Negras. O militar, tio de Andrea, André e Cristina, foi assessor do então deputado estadual entre junho e agosto de 2018.

“O tio Hudson também já até tirou o corpo fora, porque quem pegava a bolada era ele. Quem me levava e buscava no banco era ele… Na hora que eu estava aí fornecendo também, e ele também estava me ajudando, lógico, e eu também estava. Porque eu ficava com mil e pouco e ele ficava com R$ 7 mil. Então assim, certo ou errado, agora já foi. Não tem jeito de voltar atrás”, afirmou Andrea.

Mulher e filha de Queiroz citam Bolsonaro – Em outra troca de mensagens obtida pelo “UOL”, a mulher e a filha de Fabrício Queiroz, Márcia Aguiar e Nathália Queiroz, citam o presidente Jair Bolsonaro e se referem a ele como “01”. Segundo a reportagem, os áudios são de outubro de 2019, época que o ex-assessor estava escondido na casa da família Bolsonaro, Frederick Wassef, em Atibaia, interior de São Paulo.

Na conversa, Márcia e Nathália falam sobre o desejo de Queiroz de voltar para a política. No entanto, a mulher do ex-assessor diz que o marido não conseguiria isso por resistência do próprio Bolsonaro.

“É que ainda não caiu a ficha dele que agora voltar para a política, voltar para o que ele fazia tão cedo… esquece. Bota ano para ele voltar. Até porque o “01”, o Jair, não vai deixar. Tá entendendo? Não pelo Flávio, mas enfim. Ainda não caiu essa ficha dele. Fazer o quê?”.

De acordo com o “UOL”, a troca de mensagens ocorreu após o Globo revelar, em outubro de 2019, que Queiroz seguia fazendo articulações políticas apesar das investigações do Ministério Público do Rio de Janeiro (MP-RJ) sobre o caso do “rachadinha”.

Tanto Márcia quanto Nathália foram lotadas no gabinete de Flávio. A mulher de Queiroz trabalhou como assessora do então deputado entre março de 2007 e setembro de 2017. Já Nathália ficou de setembro de 2007 a dezembro de 2016. Depois, virou assessora de Jair Bolsonaro de dezembro de 2016 até outubro de 2018.

Já em outro áudio obtido pelo “UOL”, Queiroz fala de Wassef, se referindo a ele como “Anjo”, seu apelido. O ex-assessor foi preso em junho do ano passado, enquanto estava na casa do advogado da família Bolsonaro.

“E todas as pessoas que eu falo, eu sempre falo: ‘meu irmão, apaga, escreveu apaga’. Eu sei com quem eu conversei esse assunto aí. Chateadão também por causa disso. Tu lembra que eu falo: ‘apaga, apaga, apaga, apaga…? Aí deu nisso aí. O “Anjo” também, a primeira coisa que o “Anjo” chegou para mim e falou na minha cara foi: “você foi traído, você foi traído ontem à noite’.

Ao “UOL”, Wassef afirmou que os fatos narrados por Andrea “são narrativas de fatos inverídicos, inexistentes, jamais existiu qualquer esquema de rachadinha no gabinete do deputado Jair Bolsonaro ou de qualquer de seus filhos”. Ele negou que exista qualquer ilegalidade e disse que existe uma antecipação da campanha de 2022.

Fonte: Com UOL, O Globo, Folha de S.Paulo e Metrópoles

Deixe sua opinião

Enviando seu comentário...
Houve um erro ao publicar seu comentário, por favor, tente novamente.
Por favor, confirme que você não é um robô.
Robô detectado. O comentário não pôde ser enviado.
Obrigado por seu comentário. Sua mensagem foi enviada para aprovação e estará disponível em breve.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Notícias relacionadas

Siga a CNTS
nas Redes Sociais