59
Foto: Sérgio Lima/Poder 360

No apagar das luzes, Temer sanciona lei que destina recursos do FGTS para socorrer santas casas

Política

O presidente Michel Temer sancionou, sem vetos, a lei que autoriza a criação de linha de crédito com recursos do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço – FGTS, para socorrer as santas casas e os hospitais filantrópicos que atendem pelo Sistema Único de Saúde – SUS. A Lei 13778/2018, publicada no Diário Oficial da União de 27 de novembro de 2018, tem origem na medida Provisória 848, que propôs a criação da linha de crédito específica, alterada pela MP 859, ambas de 2018. O Conselho Curador do FGTS estabeleceu que a remuneração do Fundo passa a ser de 6,5% e fixou prazo de dois anos para vigência do programa, assim, as entidades filantrópicas poderão contar com esse recurso até 2020.

De acordo com o texto da nova lei, 5% do programa anual de aplicações do FGTS serão destinados a essa linha de financiamento. Os operadores serão Banco do Brasil, Caixa Econômica Federal e Banco Nacional do Desenvolvimento Econômico e Social – BNDES. O risco financeiro da operação ficará com os bancos. As taxas de juros podem ter embutido um percentual para suportar o risco dos empréstimos, limitado a 3%. Antes da MP 848, o FGTS só podia ser aplicado em habitação, saneamento básico e infraestrutura urbana.

A taxa de juros da nova linha de financiamento não poderá ser superior à cobrada da modalidade pró-cotista dos financiamentos habitacionais, que beneficia trabalhadores com conta no FGTS. A linha tem juros mais baixos do que os praticados no mercado. Hoje está entre 7,85% e 9% ao ano. A tarifa operacional única não pode ser maior do que 0,5% da operação. Emenda aprovada por deputados e senadores incluiu nessa linha de financiamento as instituições que atuam a favor de pessoas com deficiência.

A santa casa interessada no financiamento deverá ofertar um mínimo de 60% de seus serviços ao SUS, como já ocorre atualmente, e comprovar, todo ano, a prestação desses serviços com base no número de internações e atendimentos ambulatoriais realizados. A lei do FGTS estabelece uma série de garantias que podem ser fornecidas pelo tomador do empréstimo, como hipoteca, seguro de crédito, aval em nota promissória e fiança bancária. Com a MP 859, todos os tomadores, incluindo os hospitais filantrópicos, poderão fornecer um tipo único de garantia ou um mix delas.

Podem ocorrer operações de crédito sem destinação específica; ou para reestruturação financeira, nas quais deverá ser apresentado aos agentes financeiros o plano de trabalho e de gestão pelas entidades hospitalares filantrópicas e sem fins lucrativos; ou para financiamentos de investimentos de construção, ampliação ou reformas das instalações, aquisição de equipamentos, bens de consumo duráveis e de tecnologia da informação, que contribuam para a melhoria no atendimento à população nessas entidades.

Os agentes financeiros deverão exigir dos mutuários, na assinatura de contrato e para a liberação de qualquer parcela de recurso, a comprovação da quitação com o FGTS mediante a apresentação do Certificado de Regularidade do FGTS. Caberá ao Ministério da Saúde acompanhar a execução do programa e subsidiar o Conselho Curador com estudos técnicos necessários ao seu aprimoramento operacional e definir as metas a serem alcançadas.

A CNTS repudia as medidas paliativas para uma situação tão grave, que envolve a saúde e a vida de milhões de brasileiros, que dependem do SUS. Vale lembrar que, com o aumento do desemprego – 27 milhões de brasileiros estão fora do mercado de trabalho – os trabalhadores desempregados perderam planos de saúde vinculados às empresas ou então não conseguem mais pagar plano individual, aumentando a demanda de serviços do SUS.

A Confederação ressalta, que usar recursos de um fundo que é dos trabalhadores para sanar dívidas das santas casas e filantrópicos com o sistema financeiro, não é a forma mais justa para com os trabalhadores já tão subtraídos nos seus direitos conquistados a duras penas. Além do mais, a medida pode resultar num círculo vicioso para as entidades, ao tomar empréstimos para pagar outros empréstimos e acumularem novas dívidas com os trabalhadores.

O mais eficaz seria o governo criar uma linha de crédito especial e suficiente para sanar o problema das dívidas e permitir a recuperação da infraestrutura e do quadro de profissionais, com efeitos positivos na assistência à população, mas sem subtrair do FGTS, que tem entre suas atribuições assistir aos trabalhadores, principalmente, em momentos de grave crise de recessão e desemprego no país.

Conselho amplia orçamento – No sentido de garantir os recursos destinados às entidades hospitalares filantrópicas e sem fins lucrativos, o Conselho Curador do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço aprovou a Resolução 907, de 13 de novembro de 2018, suplementando o orçamento operacional do FGTS em 2018 no montante de R$ 500 milhões, para fins de concessão de descontos nos financiamentos a pessoas físicas, perfazendo o total de R$ R$ 956.463.000,00 (novecentos e cinquenta e seis milhões, quatrocentos e sessenta e três mil reais) para o orçamento de 2018 das operações de crédito destinadas às entidades.

Aprovou também a Resolução 909, de 27 de novembro de 2018, criando o Programa de Crédito destinado às entidades hospitalares filantrópicas e sem fins lucrativos que participem de forma complementar do SUS – FGTS Saúde. Os conselheiros consideraram a necessidade de instituir as diretrizes para aplicação dos recursos.

O orçamento financeiro, operacional e econômico do FGTS para 2019 foi aprovado pelo Conselho Curador e os recursos totalizam R$ 78,6 bilhões. Nesse montante, está contemplado o FGTS Saúde, com R$ 3,5 bilhões. Também foram destinados R$ 66,1 bilhões para o segmento habitacional, dos quais R$ 61,4 serão reservados para programas de habitação popular.

Além disso, estão previstos R$ 9 milhões em descontos, utilizados para complementar renda de beneficiários do Minha Casa, Minha Vida. Foram mantidos recursos no valor de R$ 4,5 bilhões para Programa Pró-Cotista; para saneamento, serão R$ 4 bilhões; e para obras de infraestrutura urbana, R$ 5 bilhões – incluindo aporte de R$ 1 bilhão para o novo Programa Pró-Cidades.

Em 2018, o orçamento aprovado foi de R$ 72,5 bilhões, posteriormente acrescido de R$ 500 milhões. As verbas, no entanto, só poderão ser usadas se for liberada contrapartida de 10% de recursos da União. Para o triênio 2020-2022, as destinações globais serão iguais ou inferiores aos verificados para 2019, diante das limitações de fluxo de caixa do Fundo.

Fonte: Com Agência Câmara e Conselho Curador do FGTS)
CNTS

Uma opinião sobre “No apagar das luzes, Temer sanciona lei que destina recursos do FGTS para socorrer santas casas

  • Donato

    Sabe-se há muito que as Santas Casas com raras exceções, tem uma gestão péssima e como tivemos noticiado em algumas que quebraram, superfaturamentos. Portanto, a questão de gestão ética deve ser fundamento para o sucesso das Santas Casas. Os financiamentos e doações devem ter suas prestações de contas. Transpatência de gestão.

Deixe sua opinião

Enviando seu comentário...
Houve um erro ao publicar seu comentário, por favor, tente novamente.
Por favor, confirme que você não é um robô.
Robô detectado. O comentário não pôde ser enviado.
Obrigado por seu comentário. Sua mensagem foi enviada para aprovação e estará disponível em breve.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Siga a CNTS
nas Redes Sociais