49

Mandetta será ministro da Saúde do novo governo

Política

O deputado, que faz parte da Frente Parlamentar da Saúde, terá o segundo maior orçamento da Esplanada dos Ministérios

O deputado federal Luiz Henrique Mandetta (DEM-MS), foi anunciado como o futuro ministro da Saúde do governo de Jair Bolsonaro. O nome foi anunciado pelo presidente eleito por meio do Twitter após reunião com representantes do setor na terça-feira, 20. Este é o 10º nome anunciado para o próximo governo e o terceiro ministro do Democratas.

De acordo com a proposta orçamentária do governo para 2019, Mandetta terá disponíveis R$ 128,19 bilhões, o segundo maior orçamento da administração federal, atrás apenas do Ministério do Desenvolvimento Social – R$ 745 bilhões, que cuida da Previdência.

Mandetta apontou como temas que merecerão atenção especial na sua gestão as áreas de pré-natal, primeira infância, mortalidade infantil, cobertura de vacinas, gravidez na adolescência, doenças mentais e estresse no trabalho. A Confederação respalda a antecipação do futuro ministro aos pontos críticos da saúde, como mortalidade infantil que aumentou 11% depois de mais de uma década com melhoras significativas; e cobertura de vacinas, que vem caindo no país, na contramão da tendência global. Essa queda ocasionou no reaparecimento de doenças já erradicadas no Brasil, como sarampo e poliomielite.

Na linha voltada para os profissionais da saúde, a CNTS recomenda que o novo ministro defenda reivindicações da categoria, como a jornada de 30 horas semanais, piso salarial nacional, descanso digno e melhores condições de trabalho. Na enfermagem estão os trabalhadores com o maior número de adoecimento por acidentes de trabalho e doenças psicológicas em função da carga horária e da quantidade de pacientes por trabalhador durante atendimento nos hospitais. Há 18 anos a categoria reivindica que o Congresso Nacional aprove a jornada de 30 horas para que os trabalhadores parem de adoecer. 

SUS – Para Mandetta, o Sistema Único de Saúde – SUS apresenta sinais de falência, precisando debater diversos pontos acerca do assunto. Por conseguinte, a CNTS espera que o futuro ministro tenha um olhar mais atento à questão do subfinanciamento do SUS, ameaçado pela Emenda Constitucional 95/2016, que congela por 20 anos recursos para a saúde, e a Emenda Constitucional 86/2015, que retirou recursos do pré-sal que eram destinados para saúde e educação. Essas leis contribuem para o subfinanciamento crônico da saúde pública brasileira, que compromete a oferta suficiente de serviços de saúde de boa qualidade, além de restringir a possibilidade desta política social contribuir tanto para a redução do quadro de exclusão social, como para a promoção de um desenvolvimento regional que, de um lado, reduza as desigualdades socioeconômicas ainda vigentes no Brasil e, de outro lado, contribua para dinamizar a economia nacional.

Educação à distância – O parlamentar é o atual relator do Projeto de Lei 5414/2016, que proíbe o incentivo do desenvolvimento e veiculação de programas de ensino à distância em curso da área de saúde. Em reunião com membros do Conselho Nacional de Saúde – CNS, em abril, o novo ministro da saúde garantiu apoio à luta contra educação à distância na área da saúde. O secretário-geral da CNTS, Valdirlei Castagna, também se reuniu com o deputado em busca de apoio às pautas defendidas pela Confederação.

Ele já defendeu ainda que o governo tome alguma providência sobre decreto presidencial 9.057/2017, que aumentou o acesso ao ensino superior e flexibilizou as regras para a educação à distância, levando a uma piora na qualidade dos cursos e prejudicando a formação de futuros profissionais.

Apoio – O nome de Mandetta foi defendido por grupos próximos a Bolsonaro, como o futuro chefe da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, e o governador eleito de Goiás, Ronaldo Caiado. A deputada federal Carmen Zanotto (PPS-SC), membro da Frente Parlamentar da Saúde, afirmou que a nomeação de Mandetta foi respaldada por hospitais filantrópicos e pelas entidades médicas.

Médico ortopedista, Mandetta já atuou no Hospital Militar e no Hospital Geral do Exército, no Rio de Janeiro, e foi diretor da Santa Casa de Campo Grande e da Unimed. Também foi secretário municipal de saúde de Campo Grande, cargo que assumiu em 2005 e onde ficou até 2010, saindo para candidatar-se a deputado federal, cargo que ocupa desde então.

Fonte: Com informações de Folha de São Paulo, Veja e G1
CNTS

Uma opinião sobre “Mandetta será ministro da Saúde do novo governo

  • Josafa Fabrício dos Santos

    Hola colegas da Cnts, referente a proposta de redução da carga horária dos profissionais de saúde para 30 hrs semanais, temos algum posicionamento do nosso atual ministro? Todos desejamos seguir cumprindo nossas cargas horárias mas sabemos e sentimos os efeitos psicológicos e físicos envolvidos na atenção primária, sendo cobrados de um lado pelo gestor e de outro do usuário, que não estão errados, mas levando a alteração da qualidade no atendimento. Tomo por referência meu início de carreira como médico, idealista e apaixonado pela medicina preventiva, e hoje após anos em uma ubs, sem perspectiva de grandes passos na carreira e preso a uma rotina, admito questionar minha escolha. Todos almejamos crescer profissionalmente, motivo por realizar cursos e continuar estudando, mas em nosso caso, não cumpre o objetivo. Deixo meu depoimento e peço, humildemente que olhem com carinho para os que estão na linha de frente. Amo o que faço mas os anos passam e os efeitos de jornadas de 8 horas diarias + atendimentos privados ou plantões noturnos mesmo que esporádicos, cobram alto preço. Agradeço a atenção esperando primeiro em Deus e confiando que dias melhores virão

Deixe uma resposta para Josafa Fabrício dos Santos Cancelar resposta

Enviando seu comentário...
Houve um erro ao publicar seu comentário, por favor, tente novamente.
Por favor, confirme que você não é um robô.
Robô detectado. O comentário não pôde ser enviado.
Obrigado por seu comentário. Sua mensagem foi enviada para aprovação e estará disponível em breve.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Siga a CNTS
nas Redes Sociais