União Global dos Enfermeiros aprova pauta contra violência às enfermeiras

A violência laboral contra enfermeiros, que atinge apenas no Estado de São Paulo 75% dos profissionais segundo levantamento do Conselho Regional de Enfermagem de São Paulo – Coren-SP e do Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo – Cremesp, foi tema de debate da reunião anual da União Global de Enfermeiros – Global Nurses United, realizado em 1º de dezembro, em Quebec, no Canadá. O evento é realizado anualmente e reúne representantes de 17 países, incluindo América Latina, Europa e Estados Unidos. O objetivo é alertar a sociedade sobre a realidade vivenciada em todo o mundo e para ajudar no combate os atos cometidos.

A CNTS tem denunciado os recorrentes casos de agressões que atingem os trabalhadores da área de saúde, mas principalmente, profissionais da enfermagem. São várias as denúncias levadas às entidades sindicais e de classe representativas da categoria, que informam da violência sofrida por parte de chefias, pacientes e de seus familiares que, descontentes com as falhas na assistência, como a falta de profissionais, de equipamentos e de remédios, descontam sua revolta nos trabalhadores.

A insegurança decorre, também, por conta do atendimento a pacientes dependentes químicos, com problemas psiquiátricos ou criminosos, às vezes perseguidos e atacados no interior dos hospitais. Os registros mais comuns são os de violência verbal, seguidos de agressão psicológica e, por fim, física. E a maioria dos casos de violência ocorrem no Sistema Único de Saúde – SUS.

Os enfermeiros, técnicos e auxiliares de enfermagem representam cerca de 70% do quadro de profissionais e são responsáveis por 60% das ações de saúde em uma instituição hospitalar. Os profissionais da enfermagem são submetidos a jornada de trabalho exaustiva, desumana, que causa cansaço e estresse, diminui a produtividade e a qualidade de vida. E são os que ficam mais tempo junto dos doentes e seus familiares, ficando mais vulneráveis a agressões.

A questão de gênero também tem grande peso na violência contra profissionais da saúde, como apontam o Conselho Regional de Medicina – CRM-PR e o Conselho Regional de Enfermagem – Coren-PR.  Já que entre auxiliares de enfermagem, técnicos e enfermeiros, as mulheres representam 87% dos profissionais, com idade média entre 36 e 50 anos. Nas faculdades também já são a maioria.

Diante dos dados crescentes, a CNTS sugeriu ao deputado Paulo Fernando dos Santos – Paulão (PT-AL), presidente da Comissão de Direitos Humanos e Minorias da Câmara dos Deputados, e ao senador Paulo Paim (PT/RS), vice-presidente da Comissão de Direitos Humanos do Senado, a realização de audiência pública para discutir a grave questão da violência moral e física sofrida pelos trabalhadores da saúde. Os colegiados aprovaram os requerimentos das audiências, mas ainda não há data prevista. 

 







CNTS

Deixe sua opinião

Enviando seu comentário...
Houve um erro ao publicar seu comentário, por favor, tente novamente.
Por favor, confirme que você não é um robô.
Robô detectado. O comentário não pôde ser enviado.
Obrigado por seu comentário. Sua mensagem foi enviada para aprovação e estará disponível em breve.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Siga a CNTS
nas Redes Sociais