37
Foto: Charge João Bosco/RBA

Síntese da reforma da Previdência: trabalhar mais, contribuir mais, receber menos

Reforma da Previdência

Estudo da Contatos Assessoria e Política revela que o brasileiro vai trabalhar mais, contribuir por mais tempo e receber menos com a reforma da Previdência do governo de Jair Bolsonaro. A análise mostra como o trabalhador sairá prejudicado, comparando a regra atual com a proposta da equipe econômica.

Segundo o estudo, a Proposta da Emenda à Constituição 6/2019 tem como principais pontos a desconstitucionalização das regras gerais do sistema previdenciário aos futuros segurados – novas regras serão definidas por lei complementar; fixação de regras transitórias com idade mínima de 62 anos para mulheres e 65 para homens; exige a somatória de idade com tempo de contribuição inicial de 86 para mulheres e 96 para homens; regras diferenciadas para policiais, professores e pessoas submetidas à insalubridade; mulheres trabalharão mais sete anos e contribuirão mais 10 para ter aposentadoria integral; e idosos em situação de miséria só passariam a receber um salário mínimo após os 70 anos. Com a mudança nas regras do BPC, que atendem os idosos carentes, a partir dos 60 anos, eles começarão a receber R$ 400, chegando ao valor do salário mínimo somente quando tiver 70 anos. Veja a análise na íntegra, clicando aqui.

CNTS

Uma opinião sobre “Síntese da reforma da Previdência: trabalhar mais, contribuir mais, receber menos

  • carlos antonio borges da rosa

    ESTE É O MAIOR GOLPE DA HISTÓRIA DA PREVIDÊNCIA A DESCONSTITUCIONALIZAÇÃO.

    NA MINHA AVALIAÇÃO ESTE DEVE SER A CENTRALIDADE DO DEBATE.

Deixe sua opinião

Enviando seu comentário...
Houve um erro ao publicar seu comentário, por favor, tente novamente.
Por favor, confirme que você não é um robô.
Robô detectado. O comentário não pôde ser enviado.
Obrigado por seu comentário. Sua mensagem foi enviada para aprovação e estará disponível em breve.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Siga a CNTS
nas Redes Sociais