5
Foto: Unsplash

Sífilis em gestantes é tema do podcast Fiocruz no Ar

Saúde

De 2005 a 2018, foram notificados 259.217 casos, sendo que 52% das ocorrências foram em mulheres na faixa etária entre 20 e 29 anos.

Considerada como epidemia pelo Ministério da Saúde desde 2016, a sífilis vem avançando no Brasil. Desde 2005, quando começaram a ser coletados os dados sobre a doença, os números só fazem aumentar. Em relação às gestantes, de 2005 a 2018, foram notificados 259.217 casos, sendo que 52% das ocorrências foram em mulheres na faixa etária entre 20 e 29 anos.

Causada pela bactéria Treponema Pallidum, a sífilis é uma Infecção Sexualmente Transmissível – IST e pode ser adquirida por meio de relação sexual sem preservativo ou do contato com feridas expostas – a chamada sífilis adquirida – ou transmitida da gestante para a criança ainda no útero –a sífilis congênita. No caso das gestantes infectadas, a transmissão para o bebê pode levar a danos graves, como parto prematuro, fissura perto da boca, convulsões, surdez, dificuldade de aprendizado e até a morte.

Como se desenvolve em quatro fases, a sífilis apresenta sintomas diferentes:

  1. Primária – Duração: 4 a 8 semanas – No início, o único sintoma é uma ferida, indolor, na área infectada (região genital, órgão excretor ou garganta). O machucado some no fim dessa fase;
  2. Secundária – Duração: 2 a 6 meses – Os principais sinais são machucados pelo corpo. Eles aparecem espalhados, mas se concentram na palma das mãos e nos pés;
  3. Latente – Duração: 2 a 40 anos – As feridas e os sintomas desaparecem. A partir desse estágio, ela não é mais contagiosa;
  4. Terciária – Duração: até a morte – A sífilis reaparece potente: deforma as pernas e ataca o rosto e o cérebro.

Para o tratamento da sífilis, é utilizado o antibiótico do tipo penicilina. O importante é manter o cuidado e procurar imediatamente o médico assim que surgirem os sintomas. Não é recomendado o tratamento por conta própria: um erro ou a resistência do organismo materno à penicilina pode causar sérios danos à mãe e à criança.

Médico e professor da Universidade Federal de Minas Gerais, Gabriel Osanan fala sobre essa IST e a importância do tratamento adequado no podcast Sífilis em gestantes: um risco para mães e bebês, do projeto Fiocruz no Ar. Ouça o podcast, clicando aqui.

Fonte: Fiocruz
CNTS

Deixe sua opinião

Enviando seu comentário...
Houve um erro ao publicar seu comentário, por favor, tente novamente.
Por favor, confirme que você não é um robô.
Robô detectado. O comentário não pôde ser enviado.
Obrigado por seu comentário. Sua mensagem foi enviada para aprovação e estará disponível em breve.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Siga a CNTS
nas Redes Sociais