9
Foto: Roque de Sá/Agência Senado

Senadores condicionam votação da reforma da Previdência à apreciação de medidas do pacto federativo

Reforma da Previdência

"Essas matérias do pacto federativo vão andar na mesma velocidade da votação da reforma da Previdência”, disse o líder do governo no Senado, Fernando Bezerra Coelho, a jornalistas.

A moeda de troca no Senado Federal para votação da PEC 6/2019, de reforma da Previdência Social, inclui a tramitação, com a mesma prioridade, das propostas do pacto federativo. Isso porque os senadores representam os estados, que estão fora do texto aprovado na Câmara e que estão cm dificuldades financeiras. Na Câmara, em que os deputados representam o povo, a moeda de troca foi a liberação de verbas pelo governo para atender às emendas parlamentares.

Segundo o líder do governo no Senado, Fernando Bezerra Coelho (MDB-PE), que participou de reunião de líderes da casa com o ministro da Economia, Paulo Guedes, a ideia é que o governo apresente formalmente um documento com as propostas do pacto. “Essas matérias do pacto federativo vão andar na mesma velocidade da votação da reforma da Previdência”, disse o líder a jornalistas. Segundo ele, “Esse é o resumo, para que a gente possa até a primeira semana de outubro ter a votação do pacto federativo e a votação da reforma da Previdência”.

Bezerra acrescentou que a minuta apresentada pelo governo na reunião gira em torno de dois eixos principais: um deles relacionado à flexibilização orçamentária dos entes, e outro que trata da destinação de recursos a Estados e municípios e determinadas contrapartidas. “O governo vai sugerir a desvinculação, a desobrigação e a desindexação”, explicou, acrescentando que a desvinculação esbarrou em resistências de alguns líderes, que temem a redução de recursos destinados às áreas de saúde e educação.

O segundo eixo de propostas – o de transferência de recursos a Estados e municípios – engloba medidas que já tramitam no Congresso. Esse é o caso da cessão onerosa, que segundo o presidente do Senado, deve ser votada na próxima semana pelo plenário da Casa. A proposta resultará, de acordo com o líder, em distribuição de 21 bilhões de reais, sendo 10,5 bilhões para estados e 10,5 bilhões para municípios. A ideia é que a chegada dos recursos possibilite o pagamento de 4 bilhões de reais referentes à Lei Kandir até o final deste ano. Em 15 anos, a distribuição dos valores aos estados pode chegar a R$ 500 bilhões, segundo Paulo Guedes.

Ainda de acordo com Bezerra, também está prevista a transferência de recursos do Fundo Social, além de montante proveniente da reserva especial e de royalties da exploração de petróleo. Está prevista também a aprovação de proposta sobre equilíbrio fiscal, a chamada Lei Mansueto, segundo a qual a União dará aval a empréstimos de estados e municípios pelos próximos quatro anos. O presidente do Senado, Davi Alcolumbre, disse que serão 4 ou 5 emendas constitucionais e deverá partir da Casa a iniciativa para discutir os temas.

O líder admitiu haver resistência quanto ao encerramento da Lei Kandir, o que poderia dar brecha para a tributação sobre a exportação. A transferência desses recursos terá algumas contrapartidas, pela proposta do governo. Uma delas, informou o líder, é a desjudicialização de processos dos entes contra a União. Para o alongamento do prazo de pagamento de precatórios – de 2024 para 2028 –, o governo exige como contrapartida a revogação de PEC obrigando-o a criar uma linha de financiamento para o pagamento dessas determinações judiciais

Fonte: Com informações da Revista Exame, com alterações
CNTS

Deixe sua opinião

Enviando seu comentário...
Houve um erro ao publicar seu comentário, por favor, tente novamente.
Por favor, confirme que você não é um robô.
Robô detectado. O comentário não pôde ser enviado.
Obrigado por seu comentário. Sua mensagem foi enviada para aprovação e estará disponível em breve.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Siga a CNTS
nas Redes Sociais