58

Profissionais da enfermagem convocam atos para denunciar abusos de hospitais no Maranhão

Sindicatos de Base

O Sindicato dos Auxiliares e Técnicos em Enfermagem e Trabalhadores em Estabelecimentos de Saúde do Estado do Maranhão – Sindsaúde-MA promove nesta quinta-feira, 4, atos na porta do Hospital São Domingos e do Hospital UDI no sentido de denunciar à população, principalmente aos usuários dos planos de saúde, as práticas abusivas cometidas pelos hospitais particulares contra os trabalhadores da saúde.

O Sindsaúde recebeu diversas denúncias de profissionais da enfermagem de que estes centros hospitalares têm cometido abuso, assédio moral, pressão psicológica e exploração de mão de obra contra os trabalhadores da saúde em plena pandemia do coronavírus

Tanto o São Domingos quanto o UDI (Rede D’Or), valendo-se da Medida Provisória – MP 936/2020, editada pelo governo Bolsonaro, estão obrigando os profissionais de enfermagem a assinarem acordos prejudiciais, que alteram as suas jornadas de trabalho para pior, sob ameaças veladas de demissão. A malfadada MP permite redução salarial e a suspensão de contratos de trabalho mediante acordo individual, sem a participação dos sindicatos. Com isso, basta que o trabalhador, coagido, assine para que a nova jornada prejudicial passe a valer, o deixando a mercê da ganância da classe patronal.

Vale ressaltar que as profissionais mais antigas têm o direito adquirido a uma jornada mais benéfica de 12×48 ou 12×60, com períodos mais longos de folga, o que diminui o risco de contrair o coronavírus.

Porém, esses hospitais – ignorando a lei, a convenção coletiva e a saúde de seus empregados – estão impondo a essas profissionais jornadas massacrantes de 12×36, aumentando a exposição ao vírus, bem como o perigo de contágio por esse agente biológico letal.

“A pressão psicológica e a coação para que os trabalhadores assinem esse acordo lesivo têm sido muito grande, o que tem gerado revolta e insatisfação na categoria, que além de conviver com o receio da Covid-19, agora, convive com o medo da demissão, o que é inadmissível. Não vamos admitir esses ataques do São Domingos e do UDI”, afirmou a presidente do Sindsaúde, Dulce Mary Sarmento.

De acordo com a dirigente sindical, em vez de retirar direitos dos trabalhadores, esses hospitais deveriam assegurar condições dignas de trabalho, além de jornadas e salários justos, ainda mais em meio a esta pandemia. “Infelizmente, porém, mesmo durante essa crise, os dois grandes impérios da saúde no Maranhão, só pensam no lucro e não nos seus funcionários e familiares. Enquanto o mundo aplaude os profissionais da enfermagem, o São Domingos e o UDI exploram e maltratam seus empregados”, criticou Mary.

A vice-presidente do Sindicato, Lucimary Santos, ressalta que “uma jornada nessa proporção causaria colapso na saúde dos trabalhadores. Essa jornada causa adoecimentos e danos irreparáveis, tanto para profissionais quanto para os pacientes, que sentirão o reflexo desse atendimento”, destaca.

Atos públicos – O Sindisaúde e o Sintaema convocam todos os trabalhadores para participarem dos atos que serão realizados nesta quinta-feira, 04, às 7h, em frente ao Hospital São Domingos, e às 11h, em frente ao UDI, respeitando, obviamente, as regras sanitárias para a segurança de todos. Além de denunciar os abusos cometidos pelas redes hospitalares, o objetivo do ato é impedir ataques aos profissionais de saúde e, sobretudo, garantir a manutenção da jornada de trabalho mais benéfica aos profissionais da enfermagem.

CNTS

Deixe sua opinião

Enviando seu comentário...
Houve um erro ao publicar seu comentário, por favor, tente novamente.
Por favor, confirme que você não é um robô.
Robô detectado. O comentário não pôde ser enviado.
Obrigado por seu comentário. Sua mensagem foi enviada para aprovação e estará disponível em breve.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Siga a CNTS
nas Redes Sociais