9
Foto: CNS

Pessoas com deficiência cobram mais acessibilidade e inclusão no SUS

Pessoas com Deficiência

A Comissão Intersetorial de Atenção à Saúde das Pessoas com Deficiência – CIASPD, do Conselho Nacional de Saúde – CNS, realizou nesta terça (04/12), em Brasília, o 1º Seminário Nacional da Saúde das Pessoas com Deficiência – Garantia de Assistência Integrada. O objetivo foi reunir diferentes lideranças que vão compor um documento norteador dos debates na área durante a 16ª Conferência Nacional de Saúde (8ª+8), marcada para ocorrer de 4 a 7 de agosto de 2019. Cerca de 50 pessoas estiveram reunidas no intuito de demandar propostas de políticas para o Sistema Único de Saúde – SUS.

As demandas por acessibilidade e inclusão nas políticas públicas de saúde são constantes. O seminário, realizado em auditório acessível, com presença de intérpretes de Língua Brasileira de Sinais – Libras, discutiu, ainda, sobre assistência integrada. O esforço visa garantir a acessibilidade aos serviços de saúde e a incorporação de insumos, tecnologias e práticas de cuidado integral desta população.

Loni Elisete Manica, assessora parlamentar no contexto da LBI; Diego Ferreira Lima da Silva, do Ministério da Saúde; e Éverton Pereira, professor da Universidade de Brasília (UnB), apresentaram questões ligadas à pauta. Dentre os assuntos abordados, foi destacada a necessidade de um Modelo Único de Avaliação a partir do Cadastro Nacional da Pessoa com Deficiência, que deve ser implementado conforme rege a LBI. O objetivo é unificar dados para que possam ser mapeadas de forma mais precisa as reais necessidades e especificidades das pessoas com deficiência no país, levando em consideração os seus territórios.

De acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE, o Brasil possui atualmente 6,7% da sua população com alguma deficiência. Para esse segmento, é necessário que o poder público desenvolva políticas específicas que possam garantir o direito à saúde com equidade. Joelson Dias, vice-presidente da Comissão Especial dos Direitos das Pessoas com Deficiência da Ordem dos Advogados do Brasil – OAB, destacou a importância de seminários do gênero para consolidação da participação social e dos marcos legais.

“A Constituição de 1988, a Convenção da ONU dos Direitos das Pessoas com Deficiência (2006) e a Lei Brasileira de Inclusão (2015) são alguns dos marcos legais que garantem nossos direitos”, disse. Para ele, “esse evento é um espaço de articulação para lançarmos reflexões profundas sobre como fica esse arcabolso normativo para os próximos anos”. Vanessa Goulart, da Comissão Extraordinária de Saúde do Conselho Nacional do Ministério Público, acredita que o evento é um ato de “mobilização das pessoas com deficiência e fortalecimento do SUS”.

O conselheiro nacional de saúde Antônio Muniz lembrou que antes da Constituição de 1988, as pessoas com deficiência ficavam à margem das políticas. “Nós nem éramos considerados gente. Muita coisa melhorou, mas muita coisa ainda está no papel. O próximo governo deve escutar os conselhos e garantir que não haverá redução de direitos”, afirmou. Nesse sentido, a deputada federal Érika Kokay (PT/DF) frisou a necessidade de revogação da Emenda Constitucional 95/2016. “Não haverá democracia se nossos recursos estiverem congelados”.

Para Josué Ribeiro, do Ministério dos Direitos Humanos, todos somos construtores do Estado. “Esse seminário acena para o futuro e é um ponto de partida para a 16ª Conferência”. A conselheira nacional de saúde Priscilla Viegas destacou a necessidade de um olhar sensível às pessoas com deficiência. “Essa é mais uma agenda de luta do CNS diante dos obstáculos e barreiras que estão colocando à nossa frente. Precisamos pensar a saúde garantindo a equidade”.

Fonte: CNS
CNTS

Deixe sua opinião

Enviando seu comentário...
Houve um erro ao publicar seu comentário, por favor, tente novamente.
Por favor, confirme que você não é um robô.
Robô detectado. O comentário não pôde ser enviado.
Obrigado por seu comentário. Sua mensagem foi enviada para aprovação e estará disponível em breve.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Siga a CNTS
nas Redes Sociais