12
Foto: Alex Pazuello/Semcom Manaus

Nenhum estado apresenta tendência de queda na mortalidade

Coronavírus

Boletim da Fiocruz revela que nas primeiras semanas epidemiológicas do ano nenhum estado apresentou tendência de queda de incidência ou mortalidade por Covid-19. Tem ocorrido exatamente o oposto: foram observadas elevações expressivas no número de casos em 13 deles e de óbitos em 5 e registradas elevadas taxas de incidência e mortalidade na maioria das unidades da Federação.

A Fiocruz informa que nestas primeiras semanas epidemiológicas do ano nenhum estado apresentou tendência de queda de incidência ou mortalidade por Covid-19. Tem ocorrido exatamente o oposto: foram observadas elevações expressivas no número de casos em 13 deles e de óbitos em 5 e registradas elevadas taxas de incidência e mortalidade na maioria das unidades da Federação. Nas semanas epidemiológicas 01 e 02 de 2021 – 3 a 16 de janeiro –, o Brasil apresentou uma média diária de 52 mil casos, valor ainda mais elevado que o verificado em meados do ano passado, e de quase 970 óbitos, com 9 dos 14 dias registrando mais de 1 mil mortes por dia.

Manaus, por exemplo, passa novamente por uma fase crítica, com altas taxas de incidência em relação às Síndromes Respiratórias Agudas Graves – SRAG, incluindo os casos de Covid-19. Se em algumas capitais esse número chega a ser superior a 10 casos por 100 mil habitantes, na capital amazonense este valor chega a ser três vezes maior. Há preocupação também em relação às taxas de ocupação de leitos de UTI Covid-19, que em alguns Estados estão na zona de alerta crítica e em outros na zona de alerta intermediária.

Entre as capitais, nove estão com taxas de ocupação de leitos de UTI Covid-19 para adultos de pelo menos 80%: Porto Velho – 93,7%, Manaus – 94,1%, Boa Vista – 100,0%, Macapá – 94,6%, Belo Horizonte – 82,9%, Vitória – 80,1%, Rio de Janeiro – 99,8%, Curitiba – 81,0% e Campo Grande – 81,0%. Com taxas superiores a 70,0%, somam-se ainda oito capitais: Rio Branco – 72,7%, São Luís – 77,5%, Fortaleza – 78,1%, Recife – 70,7%, Salvador –71,1%, Vitória – 79,7%, São Paulo – 70,5%, e Porto Alegre – 74,1%.

O Boletim ressalta também que, apesar de a vacinação ter começado no país, a população não deve descuidar das medidas de prevenção e contenção – distanciamento físico e social, uso de máscaras, higienização, entre outros – que já vem sendo amplamente recomendadas desde o início da pandemia. A vacinação não pode, neste momento que ainda é crítico, levar a um relaxamento dessas medidas de proteção. A publicação pede ainda que os gestores passem a ter uma ação mais prospectiva, baseada em dados da vigilância em saúde, permitindo antecipar situações de crise.

A vacinação é detalhada em outro texto desta edição, em que o Boletim deixa claro que a autorização emergencial pela Anvisa para o uso das vacinas fabricadas por SinoVac e Universidade de Oxford/AstraZeneca representa um marco importante, mas ainda há desafios a serem vencidos e cuidados a serem tomados. De acordo com os pesquisadores, o país tem ainda um longo caminho a ser percorrido para reduzir a transmissão e o aumento de casos e óbitos, o que vai demandar tempo até que se alcance uma cobertura vacinal significativa com as duas doses preconizadas no mais curto período possível. Será essencial acompanhar a cobertura vacinal, possíveis efeitos adversos que venham a surgir e o efeito da vacina na incidência e mortalidade pela doença, o que exigirá um esforço de vigilância epidemiológica em cada município e a organização desses dados em um sistema nacional de informação.

Fonte: Fiocruz
CNTS

Deixe sua opinião

Enviando seu comentário...
Houve um erro ao publicar seu comentário, por favor, tente novamente.
Por favor, confirme que você não é um robô.
Robô detectado. O comentário não pôde ser enviado.
Obrigado por seu comentário. Sua mensagem foi enviada para aprovação e estará disponível em breve.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Siga a CNTS
nas Redes Sociais