Mulheres são vítimas mais comuns de esgotamento profissional

A síndrome de burnout, doença do esgotamento profissional, é muito comum entre as mulheres. A questão foi levantada pela enfermeira do Instituto Federal do Paraná – IFPR, Vania Camargo, durante o seminário em comemoração ao Dia da Mulher, realizado em 8 de março, pela Fundacentro em Curitiba/PR.

Segundo Camargo, a mulher sofre com a sobrecarga da dupla jornada de ter um emprego e cuidar da casa e da família. Esse cenário pode levar ao burnout, que faz com que a pessoa se sinta sempre exausta e incapaz de trabalhar, adoecimento que afeta 30% dos trabalhadores brasileiros. Como modos de prevenir, lidar e combater a síndrome, ela indica a prática de esportes, meditação, sono adequado e acompanhamento psiquiátrico.

O evento foi um momento de reflexão. A ergonomista da Fundacentro/PR, Mey Rose Rink, falou sobre o papel da mulher na sociedade ao longo dos séculos. A pesquisadora destacou que as mulheres, muitas vezes, foram apagadas da história, do Egito Antigo aos dias atuais. Por outro lado, os movimentos de lutas de mulheres alcançaram conquistas como o direito ao voto e o direito de trabalhar fora de casa. Mas ainda há desigualdades a serem vencidas, como as relativas a salários e oportunidades de emprego.

Outro tema debatido foi o envelhecimento da mulher. A médica perita do Subsistema Integrado da Saúde do Servidor – Siass, Sandra Lunedo, abordou a inserção social do idoso na sociedade, por meio da tecnologia, dos direitos e do acesso à saúde, apontando a percepção da sociedade e da própria mulher sobre o seu envelhecimento.

A pressão para continuar jovem, segundo a médica, pode levar a mulher a inseguranças, ansiedade e depressão. Desse modo, é necessário que o envelhecimento seja aceito como o processo natural que realmente é. “O avanço da idade da esposa é visto como causa de problemas no casamento. Muitas vezes o problema existe há muito tempo. E o homem também envelhece”. Lunedo também apontou as doenças que aparecem com a idade e os cuidados que devem ser tomados para se ter uma vida saudável. (Por ACS/Cristiane Reimberg com informações da Fundacentro/PR)

CNTS

Deixe sua opinião

Enviando seu comentário...
Houve um erro ao publicar seu comentário, por favor, tente novamente.
Por favor, confirme que você não é um robô.
Robô detectado. O comentário não pôde ser enviado.
Obrigado por seu comentário. Sua mensagem foi enviada para aprovação e estará disponível em breve.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Siga a CNTS
nas Redes Sociais