60
Foto: Divulgação

Governo diz que benefício de R$ 400 não pune idoso pobre, e sim o “protege”

Reforma da Previdência

Até Geraldo Alckmin considerou desumano fazer com que idosos carentes só possam receber um salário mínimo integral após os 70 anos

Após diversas críticas de oposição e aliados, o governo de Jair Bolsonaro negou que esteja punindo idosos pobres com a diminuição do valor pago pelo Benefício de Prestação Continuada – BPC e diz que é o contrário: “A medida vai no sentido de proteger os mais vulneráveis”, disse Bruno Bianco, secretário especial adjunto da Secretaria Especial de Previdência e Trabalho.

Pelo texto da Proposta de Emenda à Constituição – PEC 06/2019, idosos em situação de miséria só passariam a receber um salário mínimo após os 70 anos. Com a mudança nas regras do BPC, que atendem os idosos carentes, a partir dos 60 anos, eles começarão a receber R$ 400, chegando ao valor do salário mínimo somente quando tiver 70 anos. Se eles morarem em São Paulo, Rio de Janeiro, Porto Alegre e Florianópolis não conseguirão comprar uma cesta básica, pois o valor varia de R$ 457,82 a R$ 471,44.

Atualmente, o benefício no valor de um salário mínimo é pago mensalmente à pessoa com deficiência e ao idoso com 65 anos ou mais que comprove não possuir meios de se sustentar, e nem de ter auxílio da família.

“Na verdade, estamos antecipando o benefício pela vulnerabilidade desse cidadão. A condição que encontramos foi oferecer R$ 400 já aos 60 anos, o que dá um fôlego para essa pessoa. O efeito fiscal é negativo [gera mais despesa para o governo], mas a lógica da medida vai no sentido de proteger os mais vulneráveis”, disse Bruno Bianco, em apresentação para economistas de bancos em São Paulo.

A proposta foi uma das que causou mais protestos nas redes sociais e na imprensa. Até o ex-governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), cujo partido é apoiador da reforma da Previdência, considerou “desumano” fazer com que idosos miseráveis só possam receber um salário mínimo integral após os 70 anos.

Na coluna do jornal O Globo, a jornalista Miriam Leitão lembrou que a promessa da equipe econômica era acabar com os privilégios. “A reforma piora a vida dos mais pobres que dependem do Benefício de Prestação Continuada. A promessa da equipe era só endurecer com o andar de cima. Não foi o que se viu neste ponto do BPC”, afirmou.

Fonte: Com informações de UOL, Revista Fórum e O Globo
CNTS

Uma opinião sobre “Governo diz que benefício de R$ 400 não pune idoso pobre, e sim o “protege”

  • carlos antonio borges da rosa

    ACHO QUE A MANCHETE DEVERIA SER ESSA:

    Até o ex-governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), considerou “desumano” fazer com que idosos miseráveis só possam receber um salário mínimo integral após os 70 anos.

Deixe sua opinião

Enviando seu comentário...
Houve um erro ao publicar seu comentário, por favor, tente novamente.
Por favor, confirme que você não é um robô.
Robô detectado. O comentário não pôde ser enviado.
Obrigado por seu comentário. Sua mensagem foi enviada para aprovação e estará disponível em breve.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Siga a CNTS
nas Redes Sociais