34
Foto: Marcello Casal Jr./Agência Brasil

Fila do SUS tem 1 milhão de procedimentos represados por causa da pandemia

Saúde

Segundo pesquisa da Fiocruz, pandemia impactou, sobretudo, tratamentos clínicos e cirurgias. O maior déficit está na região Sudeste.

Levantamento da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) apontou que, desde o início da pandemia de covid-19, houve um impacto significativo na demanda de procedimentos e atendimentos hospitalares no Sistema Único de Saúde (SUS). Segundo a entidade, o Brasil apresenta 1.102.146 procedimentos em déficit e com potencial de demanda. Ou seja, cerca de um milhão de procedimentos hospitalares foram represados no Sistema Único de Saúde após o início da pandemia. “Algumas regiões do país apresentam déficit considerável de atendimentos clínicos e procedimentos cirúrgicos que podem evoluir com complicações. Além disso, a demanda reprimida nos exames e diagnósticos representam problemas para agravamento de condições clínicas não atendidas a tempo”, afirma.

Os especialistas do Monitora Covid-19 e do Projeto de Avaliação do Desempenho do Sistema de Saúde, iniciativas ligadas à Fiocruz, monitoraram a dinâmica de 30 grupos de procedimentos listados no Sistema de Informações Hospitalares do SUS de 2014 até maio de 2022. Depois, compararam os volumes específicos dos anos marcados pela Covid-19 (2020, 2021 e 2022) em relação à média do período 2014-2019.

Os pesquisadores ressaltam que o período inicial da pandemia – meses de março, abril e maio de 2020 – apresentou um número muito elevado de procedimentos hospitalares não realizados. Já os primeiros cinco meses analisados em 2022 demonstram uma recuperação do sistema; entretanto, o volume de procedimentos não realizados ainda traz um passivo enorme de atendimentos. São números que representam uma potencial demanda, além de enormes desafios, para o sistema de saúde nos próximos anos.

A região Sudeste apresenta o maior déficit de procedimentos, com cerca de 400 mil não realizados. Foram exatos 398.729 procedimentos a menos durante a emergência da Covid-19. Embora o total represado em 2020 não tenha se repetido em 2021 e 2022, os pesquisadores indicam que os procedimentos cirúrgicos na região não se recuperaram, com destaque para cirurgias do aparelho digestivo, do aparelho geniturinário, do aparelho circulatório, das vias aéreas superiores, pequenas cirurgias e cirurgias de pele, tecido subcutâneo e mucosa.

A região Nordeste apresentou um volume de 367.560 procedimentos a menos do que o esperado em relação à média de 2014-2019, com atenção especial para o represamento de cirurgias do aparelho digestivo e do aparelho geniturinário, das chamadas pequenas cirurgias, das cirurgias de pele, do tecido subcutâneo e mucosa, das cirurgias de mama, das cirurgias das vias aéreas superiores, da face, da cabeça e do pescoço, e das cirurgias do aparelho circulatório.

No Sul, o déficit de procedimentos foi de 262.873. O represamento mais expressivo se deu em cirurgias do aparelho digestivo, do aparelho geniturinário, do aparelho circulatório e das vias aéreas superiores.

No Norte do País, foram 23.268 procedimentos não realizados na comparação com a média anterior à pandemia, com destaque para cirurgias do aparelho digestivo, do sistema osteomuscular, do aparelho geniturinário, de tratamentos em nefrologia e de consultas e atendimentos.

No Centro-Oeste, o déficit é de 14.643 procedimentos, especialmente em cirurgias do aparelho digestivo, de órgãos anexos e da parede abdominal em 2020 e 2021, com recuperação discreta em 2022.

Os pesquisadores alertam para a necessidade de investimentos na atenção e na promoção da saúde para que os atendimentos possam voltar aos níveis pré-pandemia. “Os desafios do SUS nos próximos anos são enormes, tanto pelo passivo adquirido durante a pandemia, quanto pelos cuidados pós-Covid que eventualmente o sistema terá que tratar”, finaliza Diego Xavier, pesquisador do Icict/Fiocruz e um dos responsáveis pelo levantamento.  Veja a nota na íntegra, clicando aqui.

Fonte: Com Fiocruz
CNTS

Deixe sua opinião

Enviando seu comentário...
Houve um erro ao publicar seu comentário, por favor, tente novamente.
Por favor, confirme que você não é um robô.
Robô detectado. O comentário não pôde ser enviado.
Obrigado por seu comentário. Sua mensagem foi enviada para aprovação e estará disponível em breve.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *