48
Foto: Christiano Antonucci Secom-MT

Fatores de risco e proteção e a relação com a saúde mental dos trabalhadores da saúde durante a pandemia da Covid-19

Artigos

O Núcleo de Estudos de Processos Psicossociais e de Saúde nas Organizações e no Trabalho da Universidade Federal de Santa Catarina quer ouvir os trabalhadores da saúde e investigar o impacto da pandemia na saúde mental destes profissionais. Participe da pesquisa! Suas respostas serão fundamentais para a conquista de melhores condições de trabalho

Renata Silva de Carvalho Chinelato*

Isabella Perencin Vitti**

Fatores psicossociais relacionados ao trabalho dizem respeito à interação entre o indivíduo e seu entorno social, ou seja, a interação dinâmica entre o trabalhador e seu trabalho. Tais fatores podem tanto favorecer a saúde mental como também prejudicá-la. Os primeiros são denominados protetivos uma vez que contribuem para uma resposta adaptativa dos trabalhadores diante de situações adversas ou demandas que o contexto laboral exige. Aqueles fatores que tendem a favorecer o adoecimento são chamados de risco, pois representam perigo e ameaça ao indivíduo, aumentando a probabilidade de ocorrência de uma doença ou agravo à saúde. Desta maneira, observamos que há dois elementos interagindo – as características referentes ao trabalho e as características referentes ao trabalhador – e um desfecho que são as consequências à saúde.

No que se refere às características do trabalho e do ambiente, encontramos, por exemplo, a carga de trabalho, as jornadas laborais, a autonomia, a comunicação, a cultura e o clima organizacional, as relações interpessoais com colegas e chefias. Tais características se tornam riscos psicossociais quando há excessiva demanda, como sobrecarga de tarefas, conflitos nas relações, complexidade das atividades desenvolvidas, relações violentas, ritmo elevado.

Em relação aos trabalhadores, podemos considerar suas capacidades, habilidades, necessidades e expectativas em relação ao trabalho, bem como suas características de personalidade. Assim, constituem-se em riscos situações em que o indivíduo não é reconhecido e respeitado na realização do seu trabalho, ou quando ele precisa agir contra aquilo que acredita ser o correto. Além disso, quando o trabalhador está mais propenso a instabilidade emocional e apresenta poucas habilidades para lidar com situações estressoras de trabalho.

Também é importante considerar os fatores externos ao trabalho, como é o caso das relações familiares. Doença, morte, divórcio, exigências domésticas, pouco suporte da família, vida social escassa em função das demandas do trabalho podem contribuir negativamente para a saúde do trabalhador.

Dessa interação, diferentes tipos de danos à saúde têm sido encontrados: físicos (por exemplo, alterações no sono e no apetite), sociais (por exemplo, agressividade e isolamento) e psicológicos (por exemplo, tristeza e solidão). Tais danos podem resultar em depressão, burnout e o risco de suicídio.

No atual contexto da pandemia do Covid-19, desde o início, temos observado diversos fenômenos psicossociais de risco, afetando negativamente a saúde mental dos trabalhadores da área da saúde. São eles: falta de equipamentos de proteção individual, sobrecarga de trabalho, ritmo elevado, jornadas extensas, pressão por lidar com uma situação nova (um vírus pouco conhecido), exposição ao vírus, perdas constantes, entre outros. Somados às características do trabalho, temos os fatores externos à organização como a dinâmica familiar, em que muitos trabalhadores se vêem como, por exemplo, sobrecarregados com demandas da educação dos filhos, de doença ou morte de algum parente. As características individuais de cada trabalhador também influenciam nessa interação.

Por outro lado, também encontramos fenômenos psicossociais protetivos ou de enfrentamento. Observamos as pessoas reinventando seu ambiente de trabalho, oferecendo e recebendo ajuda, experimentando variedade em suas tarefas, com novas oportunidades de desenvolvimento na carreira e vivenciando um clima de trabalho favorável. Tais fatores são responsáveis por neutralizar os riscos, resultando em um balanceamento ótimo entre fenômenos contextuais e individuais. Desta maneira, contribuem para a qualidade de vida das pessoas e o bem-estar no trabalho, com resultados positivos para a saúde mental.

Buscando observar os fatores de risco e proteção, bem como outros fenômenos psicossociais que impactam a saúde mental dos trabalhadores, recentemente, realizamos um levantamento quantitativo com diferentes categorias profissionais. Em um segundo momento, gostaríamos de aprofundar as características do contexto de trabalho, extra trabalho e individuais dos profissionais da área de saúde, considerando ser essa categoria profissional fortemente afetada pela pandemia do Covid-19.

Portanto, aqueles que se disponibilizarem a participar desta investigação qualitativa, por meio de uma entrevista online, com duração aproximada de 40 minutos e com a presença das responsáveis pelo projeto de pesquisa (Prof. Renata Chinelato e bolsista de iniciação científica Isabella Vitti – Universidade Federal de Santa Catarina), pedimos que entrem em contato pelo e-mail: neppot.ufsc@gmail.com. Importante ressaltar que as informações coletadas serão analisadas em conjunto com as respostas dadas por todos os participantes e tratados de forma confidencial, sendo, portanto, usados apenas para fins acadêmicos e científicos. Esta pesquisa foi aprovada pela Comissão Nacional de Ética em Pesquisa – CONEP e pelo Comitê de Ética em Pesquisa da Universidade Salgado de Oliveira sob o número de CAAE 30437320.9.0000.0008.

*Coordenadora do Núcleo de Estudos de Processos Psicossociais e de Saúde nas Organizações – Neppot/UFSC; especialista em Desenvolvimento Humano pela Universidade Federal de Juiz de Fora e; Integrante do GT Cultura Organizacional e Saúde no Trabalho da Associação Nacional de Pesquisa e Pós-graduação em Psicologia. 

**Bolsista de iniciação científica na Universidade Federal de Santa Catarina

CNTS

Uma opinião sobre “Fatores de risco e proteção e a relação com a saúde mental dos trabalhadores da saúde durante a pandemia da Covid-19

  • Mário Cerqueira de Carvalho

    Sugiro um evento sobre o assunto. Mário Cerqueira de Carvalho representante da ANEST nacional em MG e Diretor Executivo da AEST MG Associação dos Engenheiros de Segurança do Trabalho de Minas Gerais 31992610808 zap

Deixe sua opinião

Enviando seu comentário...
Houve um erro ao publicar seu comentário, por favor, tente novamente.
Por favor, confirme que você não é um robô.
Robô detectado. O comentário não pôde ser enviado.
Obrigado por seu comentário. Sua mensagem foi enviada para aprovação e estará disponível em breve.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Siga a CNTS
nas Redes Sociais