19
Foto: Roberto Parizotti/Fotos Públicas

Em um ano de pandemia, Brasil fecha 7,8 milhões de postos de trabalho

Mercado de Trabalho

Taxa de desemprego subiu para 14,4% em fevereiro. Número de desempregados soma 14,4 milhões, o maior da série histórica iniciada em 2012.

Em um ano de pandemia, o Brasil fechou 7,8 milhões de postos de trabalho. É o que mostram os dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios – Pnad Contínua do IBGE, divulgada nesta sexta-feira, 30. No trimestre encerrado em fevereiro, a taxa de desemprego no Brasil chegou a 14,4%. Com o resultado, o país tem 14,4 milhões de pessoas na fila por uma vaga, o maior contingente desde o início da série histórica, iniciada em 2012. Em fevereiro do ano passado, antes da pandemia, a taxa estava em 11,6%.

Já no trimestre imediatamente anterior – encerrado em novembro – a taxa estava 14,1%, o que representa estabilidade, segundo o IBGE, pois a variação é considerada pequena. Houve um incremento de 400 mil pessoas à população desocupada nos últimos três meses.

Os dados da Pnad trazem números tanto do mercado formal como do informal e são trimestrais, não mensais. Já o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados – Caged, do Ministério da Economia, cujos dados de março mostraram a criação de 184,1 mil vagas, considera apenas os trabalhadores que tem carteira de trabalho assinada.

Recorde de desalentados – A pesquisa revela um efeito devastador da pandemia sobre o mercado de trabalho, com todos os indicadores de geração de vagas em queda em relação ao período pré-Covid. Os empregados com e sem carteira assinada tiveram baixa, assim como os que trabalham por conta própria.

A maior baixa foi entre os informais. Houve queda de 15,9% no número de trabalhadores sem carteira, ou menos 1,8 milhão de pessoas frente a igual trimestre de 2020.

No mercado formal, a queda foi um pouco menor em termos percentuais e quase o dobro em valores absolutos: são 3,9 milhões de pessoas com carteira a menos do que um ano antes, retração de 11,7%. E o desalento, quando o brasileiro desiste de procurar emprego, foi recorde e atingiu 6 milhões, o maior patamar da série.

Taxa de desemprego pode chegar a 15% – Especialistas estimam que as novas restrições impostas pelo agravamento da pandemia nos meses de março e abril tendem a dificultar a retomada do mercado de trabalho e a diminuir o número de pessoas em busca de uma vaga.

O economista e professor da Fipecafi, Samuel Durso, avalia que a espera para o anúncio de medidas emergenciais pode fazer a taxa de desocupação chegar a 15%, um total aproximado de 15 milhões de desempregados no país.

Metade dos adultos sem trabalhar – Do total de brasileiros em idade de trabalhar, ou seja, com mais de 14 anos, 48,6% estão sem emprego ou fora do mercado de trabalho. Sequer buscam uma vaga. Este indicador, chamado de nível de ocupação, está em patamar muito baixo. Antes da pandemia, a taxa ficava em torno de 55%.

Número recorde de desalentados – Ao todo, 5,95 milhões de brasileiros estão nesta situação. São os trabalhadores que estão desempregados, mas nem procuraram vaga na semana da pesquisa. Inclui quem se acha muito jovem, muito idoso, pouco experiente, sem qualificação ou acredita que não encontrará oportunidade no local onde reside. Ou ainda não tem dinheiro para pagar a passagem e procurar uma vaga.

32,6 milhões com potencial subutilizado – Quase 30% dos brasileiros estão desempregados, trabalhando menos do que gostariam, desalentados ou na força de trabalho potencial – quando a pessoa está desempregada, mas não procurou vaga ou não pode trabalhar por algum motivo qualquer.

6,89 milhões trabalhando menos do que gostariam – São trabalhadores subocupados, que fizeram algum tipo de trabalho, mas que dedicaram menos de 40 horas semanais a isso e gostariam de trabalhar por um período maior. Um profissional freelancer ou alguém que faça bicos e não está conseguindo muitos serviços se encaixa nessa situação.

11,3 milhões na força de trabalho potencial – Se encaixa nesta situação quem procurou uma vaga, mas, por algum motivo qualquer – como, por exemplo, cuidar de um parente doente –, não estava disponível para trabalhar na semana da pesquisa do IBGE. Ou quem não procurou uma vaga, mas estava disponível para trabalhar na semana de referência.

CNTS

Deixe sua opinião

Enviando seu comentário...
Houve um erro ao publicar seu comentário, por favor, tente novamente.
Por favor, confirme que você não é um robô.
Robô detectado. O comentário não pôde ser enviado.
Obrigado por seu comentário. Sua mensagem foi enviada para aprovação e estará disponível em breve.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Siga a CNTS
nas Redes Sociais