4
Foto: Alex Pazuello/Semcom-AM

Com mais de meio milhão de casos, OMS diz que pico ainda não chegou ao Brasil

Coronavírus

O país ultrapassa 30 mil mortes e mais de meio milhão de casos, mas a Organização Mundial da Saúde alerta que o pior momento da pandemia não foi atingido.

O Brasil iniciou mais um mês na luta contra o novo coronavírus sem uma real perspectiva de redução dos números da doença. Com mais 623 mortes confirmadas e 11.598 novos casos computados, o país soma 30.079 vidas perdidas e 530.733 infectados pela Covid-19. Há, ainda, 4.412 pessoas com sintomas relacionados à Covid sob investigação, de acordo com o Ministério da Saúde. A crescente curva de casos e mortes no país preocupa a Organização Mundial da Saúde – OMS, que alertou, ontem, 1, sobre o fato de a situação da América do Sul estar longe de se estabilizar e que não consegue prever um pico de transmissão da doença.

Em entrevista coletiva, o diretor do programa de emergências da OMS, Michael Ryan, afirmou que se nota um aumento progressivo de casos em países latino-americanos. De acordo com Ryan, cinco dos dez países que registraram o maior número de casos nas últimas 24 horas estão na América. São eles: Brasil, Estados Unidos, Peru, Chile e México. Em 22 de maio, ele já havia dito que a América do Sul se tornara o novo epicentro da Covid-19 no mundo.

“Eu certamente afirmaria que a América Central e a América do Sul estão se tornando as zonas intensas de transmissão do vírus agora. Eu não acredito que atingimos o pico da transmissão e, neste momento, não consigo prever quando vai ser. Mas o que precisamos fazer é mostrar solidariedade aos países”, ressaltou.

Sem citar governantes em específico, Ryan ainda disse que a resposta de combate ao novo coronavírus é diferente em cada país. “Nós vemos muitos bons exemplos de países que têm uma abordagem do governo inteiro, da sociedade inteira, baseada na ciência, e vemos em outras situações uma falta e uma fraqueza nisso”, apontou.

O Brasil é o segundo país com mais casos no mundo e o quarto no ranking de óbitos absolutos. Segundo levantamento da Universidade Johns Hopkins, somente a Itália, com 33.475 mortes, Reino Unido – 39.127 e Estados Unidos – 104.799 têm mais registro de mortes. No entanto, o crescimento diário brasileiro ultrapassa, há semanas, os números italianos e, por isso, a previsão é que, ainda esta semana, o país assuma a terceira posição.

No entanto, ao se considerar a quantidade de perdas em relação à população total do país, o Brasil não supera os números das nações europeias. Pelas análises do site de estatística Our World in Data, entre os seis países com mais mortes absolutas, a Espanha é o local onde, proporcionalmente, o novo coronavírus foi mais grave. São 580,2 mortos a cada milhão de habitantes. O Reino Unido está em 565,3 fatalidades, seguido pela Itália (551,4), França (440,7) e Estados Unidos (313,5). Enquanto isso, o Brasil tem 135,6 mortes a cada milhão de pessoas.

Ao avaliar a situação de cada um separadamente, levando em consideração a evolução dos próximos dois meses a partir de uma centena de óbitos, o que se observa é que, enquanto os países europeus, com menor dimensão territorial, já estavam em estabilização de mortes, após mais de 60 dias do primeiro registro de fatalidades, os Estados Unidos e o Brasil apresentavam crescimento exponencial.

Flexibilização – São Paulo ainda lidera em número de casos e óbitos, com 111.296 diagnósticos e 7.667 mortes. Desde ontem, prefeitos podem começar a implementar o Plano São Paulo, anunciado pela gestão João Doria. Pelo plano, o Estado foi dividido em regiões e em fases, que vão de 1 a 5, e podem começar a implementar medidas de flexibilização e reabertura gradual das atividades econômicas a partir da classificação na fase 2. De acordo com o governo, 90% da população ainda está entre as fases 1 – restrição total, somente com funcionamento de serviços essenciais – e 2 –reabertura com restrições.

Na sequência em maior número de casos no país, o Rio tem 54.530 casos e 5.462 óbitos – e também inicia flexibilização. No Ceará, que também iniciou um processo de liberação, ontem, são 50.530 infecções e 3.188 mortes. Os números chegam ao momento em que outros estados começam a discutir as medidas de flexibilização do isolamento social e reabertura de setores da economia.

Outros três estados possuem mais de duas mil mortes. São eles: Pará –2.925, Pernambuco – 2.875 e Amazonas – 2.071. Juntos, as seis unidades federativas somam 24.188 óbitos, ou seja, 80,7% de todas as mortes já confirmadas no país. Dos 26 estados mais Distrito Federal, apenas três possuem menos de 100 fatalidades: Tocantins – 76, Mato Grosso – 66 e Mato Grosso do Sul – 20.

Fonte: Correio Braziliense
CNTS

Deixe sua opinião

Enviando seu comentário...
Houve um erro ao publicar seu comentário, por favor, tente novamente.
Por favor, confirme que você não é um robô.
Robô detectado. O comentário não pôde ser enviado.
Obrigado por seu comentário. Sua mensagem foi enviada para aprovação e estará disponível em breve.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Siga a CNTS
nas Redes Sociais