1

CNTS repudia proposta de privatização do SUS

Saúde

Governo e planos de saúde articulam fim do SUS

A CNTS vem a público repudiar a iniciativa da Federação Brasileira de Planos de Saúde – Febraplan de tentar burlar a Constituição Federal, que assegura a saúde como direito de todos e dever do Estado, ao propor uma descondensação do SUS por meio da oferta de planos de saúde ‘populares’ baratos e com quase nenhuma cobertura. A estratégia da Federação foi organizar um evento com a presença de parlamentares, autoridades e do próprio Ministério da Saúde para disseminar a falsa ideia de que a proposta resolveria o problema no setor. Não apareceram, entre os participantes, nomes ligados historicamente à construção e à defesa do Sistema Único de Saúde.

Segundo o dicionário Aurélio, integral é a qualidade daquele que não sofreu diminuição ou restrição, mantendo seus componentes e propriedades originais. Portanto, esta tentativa de desconstruir o SUS pensado pelos legisladores na Constituição de 1988 é, definitivamente, um passo rumo ao retrocesso social.

A supracitada Federação demoniza a saúde pública ao apontar para um ‘SUS que não funciona’. E para estes, quanto pior, melhor. Analisar nosso Sistema baseado apenas na ótica do atendimento médico-hospitalar é leviano. O SUS é uma plataforma social que está presente também no Serviço de Atendimento Móvel de Urgência – Samu, na vigilância em Saúde por meio da atuação da Anvisa, no programa Saúde da Família, nas Unidades de Pronto Atendimento, nos postos de saúde, na vacinação gratuita à população, nos bancos de leite, nos hemocentros, na farmácia popular, no provimento de remédios de alto custo, no Sistema Nacional de Transplantes, na Rede Cegonha, no atendimento à população indígena por meio do SasiSUS, entre outros.

Os gastos são proporcionalmente iguais à grandeza da estrutura da saúde pública brasileira. O problema do SUS, portanto, é o subfinanciamento, somado, em alguns casos, à falta de preparo dos gestores públicos nos gastos em saúde. A CNTS tem posição histórica na luta pelo financiamento adequado, integrando movimentos como o ‘Saúde+10’, que visa a aplicação de 10% da receita corrente bruta da União em serviços de saúde. A Confederação também fez ampla campanha nacional pela revogação da Emenda Constitucional 95, que congelou os gastos públicos por 20 anos.

Isto posto, a CNTS permanece como sentinela pela manutenção e aperfeiçoamento do SUS, de forma que este atenda as legítimas demandas da sociedade, dispondo de um financiamento compatível.

POR NENHUM DIREITO A MENOS E CONTRA O RETROCESSO!

 

Confederação Nacional dos Trabalhadores na Saúde

11 de abril de 2018

CNTS

Deixe sua opinião

Enviando seu comentário...
Houve um erro ao publicar seu comentário, por favor, tente novamente.
Por favor, confirme que você não é um robô.
Robô detectado. O comentário não pôde ser enviado.
Obrigado por seu comentário. Sua mensagem foi enviada para aprovação e estará disponível em breve.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Siga a CNTS
nas Redes Sociais