131

CNTS repudia extinção do Ministério do Trabalho

Nota de Repúdio

A Confederação Nacional dos Trabalhadores na Saúde – CNTS vem a público repudiar, veementemente, a decisão anunciada nesta quarta-feira, 7 de novembro, pelo presidente eleito, Jair Bolsonaro, de extinguir o Ministério do Trabalho. Repudia, também, a forma jocosa como a decisão foi comunicada, no sentido de que a pasta será incorporada “a algum ministério”.

A CNTS repudia, ainda, a ideia apresenta pela classe patronal, no que se refere à junção do Ministério do Trabalho ao Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio, por entender que seria a submissão dos trabalhadores aos empregadores. Seria o mesmo que colocar o lobo para tomar conta das ovelhas.

A Confederação vem repudiar, também, a proposta em discussão na comissão de transição do governo Michel Temer para o futuro governo Jair Bolsonaro, que propõe fatiar o Ministério do Trabalho. Ou seja, as atribuições referentes às relações do trabalho, fiscalização em segurança e saúde no trabalho e representação sindical passariam para algum órgão ligado à Presidência da República; a área de gestão de políticas trabalhistas e de fundos – como FGTS, FAT – ficaria a cargo do novo Ministério da Economia; e a gestão de benefícios seria direcionada a órgãos ligados ao campo social.

Entendemos que a medida significa o retrocesso a 1930, quando foi criado o Ministério do Trabalho, Indústria e Comércio, no governo de Getúlio Vargas. Além de ser uma afronta e desrespeito a um órgão público que no próximo dia 26 de novembro completa 88 anos de atuação, voltada à organização dos trabalhadores e empregadores, como força fiscalizadora do cumprimento das leis que definem os direitos e deveres da classe trabalhadora, e que muito contribuiu para o equilíbrio e avanço das relações entre capital e trabalho.

A CNTS entende que a extinção do Ministério do Trabalho, que teve início com o esvaziamento de suas funções, vem na esteira de ataques à representação sindical e aos direitos sociais e trabalhistas, com golpes fatais nos últimos dois anos, por meio da sanção da Lei 13.429/2017, que amplia a terceirização, e da Lei 13.467/2017, da reforma trabalhista. E o próximo passo será a extinção da Justiça do Trabalho, eliminando a última trincheira de luta dos trabalhadores.

A extinção do judiciário trabalhista está indicada em dispositivos da Lei 13.467, ao dificultar o amplo acesso à Justiça do Trabalho, que tem sido a mais eficiente entre os diferentes ramos judiciais. Dados do Conselho Nacional de Justiça – CNJ destacam que “o índice de conciliação dos processos na Justiça do Trabalho é de 26%, enquanto na Justiça Federal fica em 4%; a Justiça do Trabalho tem 92% dos processos eletrônicos, uma taxa de congestionamento de 56% e está presente em 625 municípios. Metade das ações é para cobrança de verbas rescisórias não pagas. Daí a perspectiva do incômodo de quem quer a extinção da Justiça do Trabalho. Querem deixar que o trabalhador fique à mercê da própria sorte”.

A CNTS apoia a nota divulgada pelo próprio Ministério de que “O futuro do trabalho e suas múltiplas e complexas relações precisam de um ambiente institucional adequado para a sua compatibilização produtiva, e o Ministério do Trabalho, que recebeu profundas melhorias nos últimos meses, é seguramente capaz de coordenar as forças produtivas no melhor caminho a ser trilhado pela Nação Brasileira, na efetivação do comando constitucional de buscar o pleno emprego e a melhoria da qualidade de vida dos brasileiros”.

A Confederação Nacional dos Trabalhadores na Saúde entende que o Ministério do Trabalho deve ser alvo de mudanças que visem o fortalecimento da pasta e da atuação em parceria tripartite – governo-trabalhadores-empregadores – na busca pela retomada do crescimento econômico do país, com respeito aos direitos sociais, previdenciários e trabalhistas conquistados a duras penas, ao longo de oito décadas. Somente a retomada do desenvolvimento proporcionará a geração de emprego e a justa distribuição de renda social.

CNTS

2 opiniões sobre “CNTS repudia extinção do Ministério do Trabalho

  • Domingos Jesus de Souza

    Boa noite, foi a coisa mais bizarra que pude ver em toda minha vida deixa o trabalhadores sem nenhuma opção de defesa e direito e nem lugar para busca amparo judiciário, infelizmente o povo sem noção de política e direitos caíram na armadilha do senhorio que quer coloca td de baixo dos braços e, sobre seu comando onde fica senado e câmara federal, só deus nessas sutura pra vira o jogo ao nosso favor

  • Carlos Antonio Borges da Rosa

    Significa retrocesso civilizatório. É a volta ao tempo da dominação política da economia agrário exportadora.

Deixe sua opinião

Enviando seu comentário...
Houve um erro ao publicar seu comentário, por favor, tente novamente.
Por favor, confirme que você não é um robô.
Robô detectado. O comentário não pôde ser enviado.
Obrigado por seu comentário. Sua mensagem foi enviada para aprovação e estará disponível em breve.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Siga a CNTS
nas Redes Sociais