1

CNTS participa mais uma vez da discussão da nova CLT no Senado

A CNTS tem mostrado cada vez mais o engajamento em prol dos direitos dos trabalhadores. Com o intuito de combater alguns pontos da nova lei trabalhista (13.467/17), que tem trazido grandes prejuízos à classe trabalhadora, a Confederação participa das audiências públicas que discutem o Estatuto do Mundo do Trabalho, uma espécie de “nova CLT”. O projeto é de autoria do senador Paulo Paim (PT-RS), que tem como objetivo anular os pontos mais agressivos da reforma trabalhista, em vigor desde novembro. 

Nessa segunda, 19, a CNTS participa de mais uma audiência, desta vez para discutir negociação coletiva, direito de greve e organização sindical. A Confederação estará representada pela diretora de Assuntos Internacionais, Lucimary Santos, que ressaltou o importante papel da Confederação nas audiências. “O estatuto do trabalho tem o apoio e participação de várias instituições, até mesmo da Associação Nacional dos Magistrados Trabalhistas – Anamatra. A CNTS não poderia ficar de fora, pois tem muito a contribuir levando as experiências da categoria que a Confederação representa, como as federações e sindicatos”, disse.

O texto-base do Estatuto se encontra em apreciação na Comissão de Direitos Humanos e Legislação Participativa do Senado – CDH. A meta de Paim é divulgar a primeira versão da proposta dia 1º de Maio, Dia do Trabalhador, em Porto Alegre. O senador prometeu levar o texto final aos candidatos à Presidência da República, porque acredita que a matéria só deverá ser apreciada em plenário quando o Executivo tiver um representante legitimamente eleito.

O texto foi elaborado por juízes, promotores, advogados, movimentos sociais, centrais, confederações e sindicatos. “Não me iludo. É impossível o atual Congresso aprovar um projeto com esse perfil. Mas vamos batalhar por sua efetivação no parlamento que sairá das urnas no processo eleitoral de 2018”, disse o senador. 

Relator da matéria e vice na subcomissão criada para esse fim, Paulo Paim visa reverter o que chama de “massacre aos direitos”. Segundo o senador, questões como trabalho intermitente, terceirização geral, supressão do papel dos sindicatos nas negociações e alteração unilateral em jornada de trabalho, aprovados na atual lei, receberão novo texto.  “Creio que o projeto possibilitará um debate mais progressista a respeito, contrapondo-se à nova lei trabalhista, aprovada a toque de caixa no Congresso Nacional para beneficiar só o capital”, relatou o senador.

Para que o Estatuto do Mundo do Trabalho se torne realidade, precisa de aprovação nas comissões do Senado e depois ir a plenário. Até lá, Paulo Paim pretende que a proposta seja amplamente debatida com o sindicalismo e a sociedade.

Audiências – A “nova CLT” já foi debatida em 17 audiências públicas. Ainda devem ocorrer dois encontros por semana até o fechamento da proposta a ser apresentada no Dia Internacional do Trabalhador (1º de Maio). (Com Agência Sindical)

CNTS

Deixe sua opinião

Enviando seu comentário...
Houve um erro ao publicar seu comentário, por favor, tente novamente.
Por favor, confirme que você não é um robô.
Robô detectado. O comentário não pôde ser enviado.
Obrigado por seu comentário. Sua mensagem foi enviada para aprovação e estará disponível em breve.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Siga a CNTS
nas Redes Sociais