51
Foto: Júlio Fernandes/Ag. Fulltime

CNTS cobra alteração na PEC da reforma previdenciária e rejeição à MP 873

CNTS

Em ofício entregue às lideranças dos partidos no Congresso Nacional, a Confederação defende que mudanças na proposta são no sentido de garantir dignidade e direito a uma aposentadoria justa. A CNTS também defende a devolução ao Poder Executivo ou rejeição da MP 873.

Membros da diretoria da CNTS entregaram às lideranças dos partidos no Congresso Nacional ofício defendendo alteração na Proposta de Emenda à Constituição 6/2019 e a rejeição da Medida Provisória 873/2019, sobre custeio da organização sindical. As alterações na PEC são no sentido de se buscar uma reforma que preserve a dignidade daqueles que trabalharam toda uma vida para terem uma aposentadoria justa; e a devolução ao Poder Executivo ou rejeição da MP 873, por suas inconstitucionalidades. O ofício foi entregue a 17 líderes da Câmara e do Senado, nesta quinta-feira, 28.

Foto: Cinthia Bispo/CNTS

A entrega do documento foi decidida durante reunião da diretoria, em Brasília, quando os diretores ficaram responsáveis em entregar o ofício e conversar com os parlamentares. Para o secretário-geral da Confederação, Valdirlei Castagna, com o ato, a entidade busca o diálogo democrático e a negociação. “É importante que a CNTS marque posição nas pautas que são de interesse dos trabalhadores e mantenha diálogo democrático e participativo com membros do governo e lideranças do Congresso Nacional. A CNTS sempre se colocou à disposição do atual governo em colaborar para que fosse feita uma reforma justa e eficaz, que viesse na direção correta de garantir a manutenção do sistema previdenciário”, afirma.

De acordo com o ofício, a proposta da reforma previdenciária impõe idades mínimas; regras de cálculo de benefício que reduzem valores; aumento de requisitos para ter acesso à aposentadoria; reduz valores de pensões; limita a acumulação de benefícios; reduz benefícios assistenciais e restringe o acesso; reduz o teto de contribuição dos servidores públicos, prejudicando aqueles que já contribuem acima do teto do RGPS; e prevê elevada taxação dos ativos, aposentados e pensionistas, notadamente no serviço público, sob o falacioso argumento de “fazer com que os que ganham mais paguem mais”.

A CNTS também sustenta que as mudanças na Previdência dos militares tratam de uma reforma tímida em comparação à proposta para os civis. O governo afirmou que a reforma militar pouparia R$ 96 bilhões, porém, a reestruturação das Forças Armadas vai custar aos cofres públicos R$ 86 bilhões, ou seja, a economia líquida vai ser de R$ 10 bilhões em dez anos, o que representa 1% do previsto com a mudança na Previdência dos civis. Um sacrifício pífio perante o de toda a sociedade, cuja estimativa do governo é de economia de R$ 1 trilhão no prazo de 10 anos.

O diretor de Assuntos Legislativos da Confederação, Mário Jorge Santos Filho, reconhece que o sistema previdenciário necessita de mudanças, mas que a proposta do governo não resolve os principais problemas da Previdência Social, que são a sonegação e a inadimplência de grandes devedores. “Com as propostas que estão em andamento, cabe às entidades se mobilizarem para frear os ataques propostos pelo governo. É preciso pressionar no sentido de que os trabalhadores não saiam prejudicados e que as entidades não deixem de existir. A CNTS está fazendo sua parte e atuando no Congresso Nacional para que os trabalhadores da saúde, entre os mais prejudicados com essa reforma, tenham seus direitos garantidos”, ressalta.

MP 873 – A Confederação alerta que a MP vem para impedir o funcionamento dos sindicatos, ao obrigar os associados a pagarem a contribuição por meio de boleto bancário, enviado ao empregado, se este autorizar individual, expressa e previamente, em vez de desconto em folha, criando uma burocracia desnecessária e sem que haja qualquer critério de urgência e relevância que justifique sua edição. A emissão e envio de boletos para cada trabalhador que tenha assentido com a cobrança é medida impraticável, gerando custos desnecessários às entidades.

Destaca ainda, que a medida provisória infringe direitos subjetivos de autonomia de gestão e administração das entidades sindicais. E significa grave ataque contra o princípio da liberdade e autonomia e o direito de organização dos trabalhadores, dificultando o custeio das entidades, no momento em que são atingidas, ainda, por mudanças introduzidas pela Lei 13.467/2017, como o fim da obrigatoriedade da contribuição, a prevalência do negociado sobre o legislado e o trabalho intermitente, e pelo alto índice de desemprego no país.

CNTS

Deixe sua opinião

Enviando seu comentário...
Houve um erro ao publicar seu comentário, por favor, tente novamente.
Por favor, confirme que você não é um robô.
Robô detectado. O comentário não pôde ser enviado.
Obrigado por seu comentário. Sua mensagem foi enviada para aprovação e estará disponível em breve.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Siga a CNTS
nas Redes Sociais