70
Foto: Matheus Rodrigues/G1 Rio

CNTS apoia a luta dos servidores da saúde do Rio de Janeiro

Saúde

A Confederação Nacional dos Trabalhadores da Saúde – CNTS manifesta seu total apoio às lutas e mobilizações dos servidores da saúde do Estado do Rio de Janeiro, que há três meses estão sem salários devido à total irresponsabilidade e falta de compromisso da gestão do prefeito Marcelo Crivella com a oferta de uma saúde pública, gratuita e universal para toda a população.

Segundo denúncia da Defensoria e do Ministério Público do Rio de Janeiro, a administração municipal deixou de investir R$ 2,2 bilhões na saúde desde o início da gestão de Marcelo Crivella, em 2017, e quase R$ 1 bilhão referente a redução, bloqueio e remanejamento indevido só este ano.

Para agravar o quadro, no início deste ano a gestão Crivella acabou com 239 equipes de saúde da família, provocando a demissão de 2.500 profissionais vinculados às Organizações Sociais – OS’s e deixando milhares de pessoas sem atendimento na rede municipal. Ao fazer isso, a prefeitura acabou superlotando ainda mais as UPAs e hospitais, elevando o gasto público e consumindo qualquer dinheiro que tenha sido “economizado” com esta medida. O resultado está aí, com unidades de saúde funcionando sem nenhuma condição.

O prefeito também contingenciou cerca de R$ 1,04 bilhão dos R$ 5,2 bilhões do orçamento previsto para a saúde em 2019, segundo levantamento feito pelo Sistema de Acompanhamento da Câmara Municipal – Fincon.

A má gestão do prefeito do Rio afetou mais de 20 mil funcionários, que estão com os salários atrasados. Cerca de 5.000 deles são agentes de saúde e técnicos e auxiliares de enfermagem. Além de não receberem os salários em dia, os profissionais convivem diariamente com a rede de unidades de saúde – como hospitais, clínicas da família, ambulatórios e centros de atenção psicossocial – completamente sucateada, na qual tornou-se crônica a falta de medicamentos e materiais necessários à realização dos mais variados exames.

Sabemos que, infelizmente, a situação tende a se agravar. Recentemente o governo federal de Jair Bolsonaro alterou as regras sobre financiamento da atenção primária. Segundo as novas regras, os repasses do governo federal para os municípios não serão mais em base à população total da cidade, como ocorria anteriormente, mas levando em consideração apenas os usuários cadastrados nas unidades de saúde. Essa regra irá reduzir drasticamente a verba da saúde.

Os políticos que comandam o país precisam lembrar que saúde não é mercadoria, vida não é negócio e dignidade não é lucro. Prefeito Crivella, esperamos que o senhor cuide verdadeiramente das pessoas como prometeu na campanha.

CNTS

Deixe sua opinião

Enviando seu comentário...
Houve um erro ao publicar seu comentário, por favor, tente novamente.
Por favor, confirme que você não é um robô.
Robô detectado. O comentário não pôde ser enviado.
Obrigado por seu comentário. Sua mensagem foi enviada para aprovação e estará disponível em breve.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Siga a CNTS
nas Redes Sociais