5
Foto: Rovena Rosa/Agência Brasil

CNS recomenda que diferentes órgãos desenvolvam ações para evitar desabastecimento de insumos

Saúde

Em contexto de pandemia, alguns estados estão sem recursos para a compra de medicamentos que estavam previstos no planejamento anual, como sedativos essenciais para intubação.

O Conselho Nacional de Saúde – CNS recomendou que diferentes órgãos desenvolvam ações e monitorem a compra e distribuição de medicamentos do Sistema Único de Saúde – SUS devido ao desabastecimento causado pela pandemia e demora no repasse de recursos às unidades da federação. Além do Ministério da Saúde, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária – Anvisa, o  Sistema Brasileiro de Defesa da Concorrência – SBDC, o Sistema Nacional de Defesa do Consumidor – SNDC, o Tribunal de Contas da União – TCU e os Conselhos Estaduais e Municipais de Saúde estão mencionados no documento do CNS. Leia a recomendação da íntegra, clicando aqui.

O documento alerta que o planejamento para aquisição dos medicamentos do chamado “kit intubação”, sedativos e paralisantes musculares, foi consumido em 90 dias, com a chegada da pandemia. “A aquisição de novos leitos e equipamentos não foi acompanhada por um plano de aquisição dos medicamentos necessários no atendimento às necessidades das pessoas em situação de agravos da doença, majoritariamente devido às justificativas do desequilíbrio entre a demanda e oferta”, diz o texto.

A recomendação diz ainda que parte dos estados perderam o poder de compra com a pandemia. A ausência de uma coordenação nacional e a demora no repasse de recursos, denunciada inúmeras vezes pelo Conselho, agravou a situação. Em maio, o Conselho Nacional de Secretários de Saúde – Conass e o Conselho Nacional de Secretarias Municipais de Saúde – Conasems também notificaram o Ministério da Saúde a respeito da falta de medicamentos sedativos, essenciais para intubação.

De acordo com Débora Melecchi, coordenadora da Comissão Intersetorial de Ciência, Tecnologia e Assistência Farmacêutica – Cictaf do CNS, os órgãos mencionados na recomendação são responsáveis pela regulação de preços, pela fiscalização dos entes públicos e pela execução das ações, podendo contribuir diretamente para atenuar ou reverter o problema. “Várias associações demandaram a Cictaf sobre o desabastecimento de medicamentos em geral. E pela mídia soubemos a falta dos medicamentos kit intubação”, destacou.

Somado a estes fatos, a situação da Organização Pan-Americana da Saúde – Opas, ameaçada de rompimento do pacto com o Brasil, pode acarretar em perda a capacidade de intermediar compra de vacinas e medicamentos importantes no enfrentamento da Covid-19. Débora também criticou a morosidade de atuação por parte do Ministério da Saúde. “Ainda que reconheça alguma tomada de providências por parte do Departamento de Assistência Farmacêutica do Ministério, está muito aquém das reais necessidades”, completou.

Fonte: Conselho Nacional de Saúde
CNTS

Deixe sua opinião

Enviando seu comentário...
Houve um erro ao publicar seu comentário, por favor, tente novamente.
Por favor, confirme que você não é um robô.
Robô detectado. O comentário não pôde ser enviado.
Obrigado por seu comentário. Sua mensagem foi enviada para aprovação e estará disponível em breve.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Siga a CNTS
nas Redes Sociais