28
Foto: Jornalistas Livres

13 de Agosto: Brasileiros vão às ruas do país contra reforma da Previdência e cortes na educação

Brasil

Luta para impedir retrocessos na aposentadoria e na educação une diversas categorias nas ruas de todo o país na próxima terça-feira,13. Sabendo do potencial das mobilizações, o governo autorizou o uso da Força Nacional durante os protestos.

Com incentivos bilionários de emendas por parte do governo, os deputados aprovaram a reforma da Previdência, medida que pode acabar com as aposentadorias dos brasileiros. Mas nem tudo está perdido e a luta agora será no Senado Federal. E uma das armas para barrar a Proposta de Emenda à Constituição – PEC 6/2019 começa na próxima terça-feira, 13, através de mobilizações em todo o Brasil, com estudantes, trabalhadores, funcionários públicos, trabalhadores rurais e entidades sindicais unidos no Dia Nacional de Mobilizações, Paralisações e Greves contra a reforma da Previdência. Até mesmo as Forças Armadas estão preparando atos contra o projeto de reestruturação dos militares.

Além da mobilização contra a PEC que acaba com a aposentadoria por tempo de contribuição, que estabelece a obrigatoriedade da idade mínima para se aposentar de 65 anos para os homens e 62 anos para as mulheres, que limita o benefício à média de todos os salários, os protestos também visam combater os cortes no orçamento da educação. Além dos cortes de recursos, que afetam não somente as universidades, mas também o ensino básico, a UNE e outras organizações apontam o programa ‘Future-se’ como um ataque à autonomia universitária e um caminho para a privatização do ensino superior no país.

No mesmo dia, milhares de mulheres do campo, da floresta e das águas marcharão em Brasília por um Brasil com soberania popular, democracia, justiça, igualdade e livre de violência na Marchas das Margaridas.

Tantas vozes reunidas lutando por um futuro melhor para o país desagradou o governo, que autorizou o uso da Força Nacional contra os protestos. Ontem, 8, o ministro da Justiça, Sérgio Moro, atendeu pedido do ministro da Educação, Abraham Weintraub, e publicou a Portaria 686 que autoriza a atuação da Força Nacional contra os protestos de estudantes marcados para a próxima terça-feira. Inicialmente, o documento estabelece ação na Esplanada dos Ministérios, mas pode ser estendida aos campi das universidades federais em qualquer cidade. O PSOL e o deputado federal José Guimarães (PT/CE) apresentaram projeto de decreto legislativo para sustar a portaria do governo Bolsonaro. “Esta portaria é uma clara intimidação contra o direito de organização popular e de manifestações. As ameaças de Moro e Bolsonaro não impedirão que os estudantes saiam às ruas no próximo dia 13”.

CNTS

Deixe sua opinião

Enviando seu comentário...
Houve um erro ao publicar seu comentário, por favor, tente novamente.
Por favor, confirme que você não é um robô.
Robô detectado. O comentário não pôde ser enviado.
Obrigado por seu comentário. Sua mensagem foi enviada para aprovação e estará disponível em breve.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Siga a CNTS
nas Redes Sociais