Responsive image

Confederação Nacional

dos Trabalhadores

na Saúde

Responsive image

FST busca apoio da CNBB para revogar reforma trabalhista

Data: 31/08/2017 16:47:00
Crédito: Julio Fernandes/ Ag. Full Time

Com o intuito de ampliar a participação da sociedade no Movimento Resistência por um Brasil Melhor, o FST convidou a Conferência Nacional dos Bispos do Brasil - CNBB para integrar ação de coleta de assinaturas para o projeto de lei de iniciativa popular, que pretende revogar a reforma trabalhista – Lei 13.467/17. Para protocolar a proposta na Câmara, serão necessárias mais de 1,4 milhão de assinaturas, distribuídas em pelo menos cinco estados brasileiros. A CNBB firmou compromisso de avaliar, até o fim de setembro, a participação efetiva no movimento.

Segundo o secretário-geral da CNBB, Bispo Leonardo Ulrich Steiner, o texto do projeto precisa ser didático e autoexplicativo. ”Precisamos de um projeto pedagógico, associado a uma campanha de conscientização, que as pessoas entendam, sem muitos esclarecimentos, quais são as justificativas do texto e o como ele beneficiará a sociedade. Os meios de comunicação propagam a importância da geração de empregos, sem reforçar que a reforma trará como consequência a precarização das relações de trabalho em prejuízo da parte mais vulnerável, que são os trabalhadores”.

Steiner confirmou a participação da entidade no lançamento do movimento, marcado para 5 de setembro, às 10h, no Hotel Nacional, em Brasília. A CNBB se comprometeu, ainda, em levar a pauta do movimento para reunião com o Papa Francisco, em setembro. A ideia é que o pontífice leve as reivindicações das confederações à Organização Internacional do Trabalho.  

Para Jânio Silva, tesoureiro-adjunto da CNTS, a colaboração da comunidade católica valoriza a pauta do movimento. “É fundamental a participação da CNBB e demais entidades em defesa de uma causa social de sobrevivência da classe trabalhadora. Em um momento de contestação política e falta de credibilidade de algumas entidades, o apoio da CNBB fortalece a credibilidade da nossa proposta perante à sociedade”.